Igrejas evangélicas recorrem a criatividade para atrair fiéis

October 13, 2009

oracao_grupo468No último senso, o percentual de evangélicos na população brasileira subiu de 9,05% para 15,45%. É significativo o aumento das denominações pentecostais, considerado por muitos como um fenômeno religioso deste terceiro milênio. Uma pesquisa do Iser (Instituto Superior dos Estudos da Religião) na década de 90 concluiu que a cada semana surgem cinco novas Igrejas só no Rio de Janeiro. Hoje, provavelmente, este número aumentou. As Igrejas pentecostais e neopentecostais expressam uma espiritualidade carregada de afetividade, sensações e emoção. Oferecem aos fiéis a satisfação de suas necessidades e solução de seus problemas: doenças, falta de dinheiro, crises conjugais e familiares, trabalho, etc. Alguns analistas afirmam que a fórmula dessas Igrejas é baseada na teologia da retribuição, tipo “toma lá, dá cá.” Se você der a Deus ($$$, via Igreja), Deus retribuirá a confiança e fé do fiel com muitas graças e bem-aventuranças. Também está incluso o conceito da teologia da prosperidade – a progressão financeira é sinal da bênção de Deus. O mais interessante é a criatividade para escolher os nomes das igrejas: “Igreja Cristo é show” “Igreja da Serpente de Moisés que Engoliu as Outras” “Igreja Evangélica Florzinha de Jesus” “Igreja Pentecostal Barco da Salvação” “Igreja Evangélica Pentecostal Cuspe de Cristo” “Igreja Menina dos Olhos de Deus” “Bola De Neve Church” “Igreja Evangélica Batista Barranco Sagrado” “Igreja E.T.Q.B. (Eu Também Quero A Bênção)” “Igreja Pentecostal Jesus Vem, Você Fica” “Igreja Evangélica Ligação Direta com o Paraíso.” “Igreja Evangélica de Abominação à Vida Torta” “Igreja Assembléia de Deus do Papagaio Santo que Ora a Bíblia “Associação Evangélica Fiel até Debaixo d’Água” “Congregação Anti-Blasfêmias” “Igreja Bailarinas da Valsa Divina” “Igreja Congregacional Exigimos a Graça de Deus” “Igreja Batista Pronto-Socorro das Almas” “Congregação Cristã dos Fiéis Vencedores Salvos da Macumba” “Igreja Assembléia de Deus Botas de Fogo Ardentes e Chamuscantes” “Igreja Evangélica da Bazuca Celestial” Geralmente são igrejas independentes, algumas fundadas pelo carisma do pastor responsável como é o caso da “Cruzada Evangélica do Pastor Waldevino Coelho, a sumidade”. Sumidade e humildade nem sempre caminham juntas… É certo que muitas igrejas funcionam como empresas, este mercado tem se mostrado bastante fértil, um grande “negócio” nem sempre inspirado no Evangelho de Jesus Cristo. Os nomes, além de revelarem certa peculiaridade da espiritualidade brasileira, também parecem ser usados como estratégia de marketing – quanto mais excêntrico e chocante, melhor! Para atender a demanda do atual mercado, também existem cursos para a formação de pastores em seis meses e por correspondência. Não que isso seja absolutamente necessário, a vocação independe da idade e do nível de escolaridade, como no excepcional caso da “menina pastora: Abrir uma igreja no Brasil é fácil. “Não é necessário muita coisa. Junta-se uma diretoria composta por oito pessoas; depois convoca-se uma reunião para emitir a ata de fundação. A partir daí, basta elaborar o estatuto e registrá-lo no cartório”, informa o contador e também pastor Rubens Moraes da Assembléia de Deus de Madureira (RJ), numa entrevista à revista evangélica Eclésia. Depois é só dar entrada no CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas). E bons negócios! fonte: http://www.sidneyrezende.com/noticia/13098+igrejas+evangelicas+recorrem+a+criatividade+para+atrair+fieis Postado por LEU LEUTRAIX às 06:50 0 comentários Links para esta postagem 20090712

Advertisements

COMO CRIAR UMA IGREJA EVANGELICA

October 12, 2009
Aleluia irmão! Você, por meio deste livro, agora poderá criar a sua própria igreja
evangélica e ser tão poderoso quanto Edir Macedo e R. R. Soares! Basta seguir os seguintes
passos:
Tabela de conteúdo
[esconder]
1 Capítulo 1 – Nome e denominação da igreja
2 Capítulo 2 – Aulas teóricas
3 Capítulo 3 – Construindo o templo
4 Capítulo 4 – Convertendo os primeiros adeptos
5 Capítulo 5 – Cultos
6 Capítulo 6 – Expandindo o quadro de pastores
7 Capítulo 7 – Expandindo a igreja
8 Capítulo 8 – Atividades extras
9 Capítulo 9 – Abrindo filiais
10 Capítulo 10 – Arrebatando a mídia(Pequenas igrejas,Grandes negócios)
11 Veja também
Capítulo 1 – Nome e denominação da igreja
Cartaz de anúncio de igrejas evangélicas
Para iniciar a sua igreja protestante (que é sinônimo de evangélico se você não sabia),
antes de mais nada você deve escolher o tipo de protestantismo a ser seguido. São muitas
opções: Igrejas Luteranas, Batistas, Metodistas, Presbiterianas, Anglicanas, Biscaterianas e
o diabo a quatro, mas a opção de longe mais recomendada são as igrejas pentecostais, que
fazem um sucesso imenso no Brasil e não têm a obrigação de se pautar nas regras da Reforma
Protestante, que crente nenhum faz questão de conhecer. Ou melhor ainda, siga a linha
Neopentecostal, que é igual aos pentecostais, com a diferença de que as pessoas não podem
ver televisão à vontade e as mulheres precisam usar aquelas saias horrorosas e deixar o
cabelo descuidado.
Agora escolha qual será o nome da sua igreja. Isso não será difícil, basta você usar a sua
criatividade. Uma boa fórmula é começar o nome por Igreja, acrescentar um adjetivo
enaltecedor, com o objetivo de passar uma idéia de abrangência, e por último um sinônimo
para o lugar em que Deus vive, ou pelo menos que a maioria da população acredita ser o tal
lugar. Também pode ser qualquer outro lugar bíblico, como por exemplo o Monte Sinai ou a
muralha de Jericó. Abaixo segue um esquema:
Igreja + Adjetivo + do(a) + Substantivo + de Deus
Esquema prático de funcionamento de uma Igreja Evangélica.
Variantes sugeridas para o adjetivo:
Universal
Internacional
Interdimensional
Galáctica
Mundial
Intercontinental
Multinacional
Sensacional
Piramidal
Hexagonal
Maioral
Procedural
Carnal
Dodecagonal
Variantes sugeridas para o substantivo:
Reino
Graça
Universo
Poder
Empresa
Ordem
Máfia
Praça de Pedágio
Quadrilha
Patota
Turminha
Buraco
Suvaco
Barraco
Galáxia
Império
Para fazer exemplos, vamos pegar dois três modelos já existentes, mais alguns dos itens
acima e criar alguns nomes de igrejas neopentecostais:
Igreja Universal do Reino de Deus (modelo real 1)
Igreja Internacional da Graça de Deus (modelo real 2, claramente plagiado baseado no
primeiro)
Igreja Mundial do Poder de Deus (modelo real 3), claramente plagiado baseado nos dois
primeiros)
A partir destes dois e dos itens sugeridos acima:
Igreja Galáctica do Universo de Deus
Igreja Intercontinental da Ordem de Deus
Igreja Multinacional da Máfia de Deus
Igreja Sensacional do Pagode de Deus
Igreja Carnal do Suvaco de Deus
Igreja Dodecagonal da Patota de Deus
Se você quer modelos mais sofisticados, também é possível substituir Deus por outras
variantes bíblicas, mas aí não há uma receita de bolo. Mesmo assim darei alguns exemplos
mais avançados:
Igreja Interdimensional da Praça de Pedágio da Muralha de Jericó
Igreja do Santo Dízimo de Cristo
Igreja da Mina de Ouro no Monte Sinai
Igreja de Jesus Cristo e Maria Madalena no Barraco de Deus
Igreja do Santo Dinheiro de Wall Street
Perfeito, a nossa igreja evangélica já tem um nome agora. Para ilustrar melhor este livro,
usaremos o nome Igreja Dodecagonal da Praça de Pedágio de Deus a partir deste ponto. O
próximo passo é aprender como que se comanda uma igreja crente.
Capítulo 2 – Aulas teóricas
Este robô também ministra algumas aulas teóricas.
Evidentemente que, para mandar em uma igreja evangélica, você precisa ter a mínima noção de
como funciona uma igreja. Mas não se preocupe, não serão necessários dez anos de seminário
nem curso de Teologia para se aprender, visto que até garotinhas de cinco anos conseguem
chefiar multidões de crentes. A melhor fonte para você são as próprias igrejas que já
existem e fazem sucesso, como a Igreja Universal. Comece a ir em alguns cultos da IURD, veja
como o pastor fala e como ele faz para convencer o povo de que o dízimo de fato está
afastando delas o demônio. À noite, em vez de cair nas baladas (ou nas sessões de RPG se
você for um nerd), assista ao programa da Igreja Universal na Record, um prato cheio de
métodos e técnicas de conversão em massa de pessoas. Lembre-se de anotar todas as frases de
efeito proferidas pelos pastores e todos os versículos da Bíblia citados, mas pelo amor de
Deus, cuidado para você também não se converter à IURD; não se esqueça de que os traficantes
nunca se viciam nas drogas.
Além de acompanhar a prática conversiva na Igreja Universal, você também deverá ter um
material de estudo em casa, que não precisa ser uma Bíblia. Recomendo um daqueles
caderninhos vendidos em lojas evangélicas que vêm com uma lista de versículos bíblicos
prontos, e também versões da Bíblia para crianças, daquelas que são cheias de imagens e
texto bem simples, que qualquer moleque entende e se converte na hora (mas você não deve se
converter de jeito algum, não esqueça). Depois de alguns dias de estudo teórico, quando você
se sentir capaz de enrolar algumas pessoas com um discurso messiânico-capitalista, já poderá
pensar na construção do templo.
Capítulo 3 – Construindo o templo
Fachada da sua igreja.
Para ter uma igreja evangélica, é fundamental um lugar destinado às pregações. Para isso
você precisa arranjar um templo onde funcionará a Igreja Multinacional da Máfia de Deus. No
começo, o templo não precisará ocupar a área de um campo de futebol e/ou uma sede estadual
da Igreja Universal; o tamanho deve ser suficiente para juntar de 100 a 1000 pessoas no
máximo. Templos muito grandes exigem maiores despesas com aluguel e contas de água, luz e
telefone, e por ora você não pode pagar tudo isso. Alugue um barracão do tamanho de um
auditório, com um banheiro no máximo (mas que seja limpo né), e está ótimo por enquanto.
Dentro do barracão, coloque várias cadeiras plásticas de 1,99 e improvise um altar à frente,
com um crucifixo de madeira (pode ser aquele da casa da sua avó) e um microfone se possível,
senão você pode simplesmente falar um pouco mais alto e pronto.
Quanto à localização da igreja, prefira sempre comunidades grandes e pobres, de preferência
a maior favela da sua cidade, afinal gente pobre é muito mais fácil de manipular, se bem que
o dízimo per capita não será grande coisa, mas igreja nenhuma começou já convertendo o Kaká
e a Mara Maravilha logo de cara. Além disso, se o seu público inicial for carente, ninguém
vai ligar para a falta de infra-estrutura no seu barracão clerical. O seu templo não poderá
dar muitas despesas iniciais, como já foi dito acima; somando aluguel e as contas de água,
luz e telefone, não passe de mil reais por mês. Pelo menos você não terá de pagar IPTU, por
se tratar de uma igreja.
Capítulo 4 – Convertendo os primeiros adeptos
Esse é o objetivo das suas pregações.
Depois de arranjar uma sede inicial, está na hora de arrebatar otários fiéis para a Igreja
Multinacional da Máfia de Deus. Se você seguiu ipsis litteris o capítulo anterior, não será
difícil arrumar gente em meio à favela que você escolheu. Basta você prometer às pessoas que
a sua igreja vai tirá-las daquela pobreza toda, a qual só existe por causa da ação do capeta
sobre elas, e na pior das hipóteses, mesmo que a maioria morra pobre, a sua igreja lhes
garantirá a chegada ao Paraíso, onde nunca mais haverá privações e blablablá.
Para falar com os potenciais adeptos, espere até o próximo domingo e vá até algum ponto
freqüentado por toda a comunidade, podendo ser uma feira livre, um camelódromo ou o boteco
da esquina, e passe o dia fazendo pregações a quem passar por lá, afirmando todas as
qualidades dessa religião salvadora e omitindo os defeitos. Não se esqueça de citar vários
versículos bíblicos, por isso a importância daquele caderninho comprado na livraria
evangélica. Nos outros dias, tente seguir de barraco casa em casa falando com os moradores
da comunidade sobre a sua igreja, mas tenha cuidado para não parecer Testemunha de Jeová,
apenas diga que a sua nova igreja poderá lhes dar um novo sentido à vida, acabar com o
sentimento de pobreza e com certeza garantir a chegada ao céu. Também tenha cuidado
redobrado em não abordar a casa do traficante da região antes de ter recolhido pelo menos
alguns dízimos.
O seu objetivo inicial é converter em torno de 100 pessoas para a igreja. Consideremos que o
público é pobre e a renda mensal média desse povo gira na casa de 700 reais, portanto serão
mais ou menos 70 reais de cada um por mês. Haverá fiéis um pouco mais abonados, uma classe
média baixa talvez, com seus 1000 reais mensais, mas também tem os que não passam de 500
contos, por isso a média 700. Com esse público de 100 crentes, a receita total será de 7000
reais, contando só os dízimos. A despesa será de cerca de 1000 reais como foi falado acima,
portanto, se der tudo certo, você terá um lucro mensal de 5 a 6 mil reais no começo. No
primeiro mês, é melhor você ainda continuar no seu emprego normal, para poder custear os
primeiros aluguéis e contas, mas com o tempo você deverá dar total atenção à igreja, quando
você puder viver dos dízimos e ofertas.
Capítulo 5 – Cultos
Esse trecho bíblico será de suma importância para o seu empreendimento.
Os cultos são uma coisa muito importante, pois não existe igreja protestante sem cultos,
certo? No gênese da sua obra capitalista espiritual para com os carentes, você não precisa
fazer cultos a cada hora como nas igrejas mais poderosas, mas precisará de um mínimo de
atividade. Promova dois cultos semanais, um no domingo de manhã e outro no meio da semana,
podendo ser quinta-feira à noite, num horário acessível a todos, ou seja, depois do
trabalho. Evite a quarta-feira por ser este o dia do futebol na televisão, algo que
realmente afasta as pessoas do caminho da fé. Os cultos deverão durar cerca de uma hora e
você deverá estar bem vestido; para isso, arrume um terno preto o mais rápido possível.
Por enquanto você é o único pastor da igreja, o responsável por comandar os dois cultos
semanais. Mas não é tão difícil assim não, basta lembrar as aulas teóricas e enrolar a
multidão com alguns versículos da Bíblia, interpretados do jeito que você quiser, valendo
até achismo se você não entender direito o versículo; não interessa, todo mundo vai
acreditar na sua palavra. Depois de fazer uma leitura e interpretação de alguns trechos
bíblicos, escolhidos por você aleatoriamente uma hora antes do culto (para dar tempo de ler
pelo menos uma vez antes), bote gasolina na fogueira e comece a gritar palavras de ordem
contra o diabo, dizendo que Jesus Cristo tem o poder para vencer o mal e a sua igreja possui
o mais direto elo com Jesus. Logo depois desse sermão, lembre os seus seguidores de que a
fidelidade no dízimo é condição sine qua non para que Jesus se lembre de cada um deles. O
dízimo é a prova da aliança entre Deus e os homens, na verdade você não está pagando, mas
está devolvendo ao Senhor, pois Ele já lha dá toda a proteção contra o demônio, está assim
no livro de Malaquias e blablablá. Lembre-se de repetir isso em todos os cultos, para que as
pessoas sintam um medo absolutamente mortal de ousar não devolver o dízimo naquele mês.
Uma vez por semana, contrate algumas pessoas para aparecerem aos seus fiéis, dizendo que
você as curou de algum encosto ou que a sua igreja as livrou de uma crise de dívidas ou
coisa que o valha. Esses depoimentos acontecerão logo antes do culto dominical e farão com
que os adeptos acreditem ainda mais em seu pastor, que é você. Logo depois, antes de começar
o culto, peça a todos que tentem divulgar a igreja aos seus amigos e parentes, afinal essa
igreja realmente ajuda as pessoas, como ficou bem claro nos depoimentos.
Capítulo 6 – Expandindo o quadro de pastores
Veja o profissionalismo de um pastor.
Depois de um tempo, a sua igreja começará a ficar conhecida na comunidade, graças aos
milagres operados e devidamente divulgados por você e pelos depoimentos das pessoas
contratadas, e o número de fiéis deverá estar na casa de 500 dentro de poucos meses. A essa
altura, a Igreja Multinacional da Máfia de Deus recolhe cerca de 20 a 30 mil reais por mês
com os dízimos e você já pode pensar em começar a expandir o seu negócio. Vamos contratar
mais pastores para a igreja.
O salário de um pastor está por volta de 3 mil reais por mês, um ótimo pagamento, sendo que
ele trabalha poucas vezes por semana. Contrate três pastores profissionais para fazerem todo
o seu trabalho na igreja, agora você não precisará mais comandar os cultos pessoalmente.
Além disso, com esse novo pessoal, os cultos poderão ser diários e duas vezes por dia, sendo
um dia manhã e noite, o outro dia tarde e noite e assim sucessivamente, com o horário
previamente distribuído entre os três pastores. Apareça de vez em quando no culto do domingo
para falar sobre as pessoas que mudaram de vida com a igreja, acompanhando os depoimentos
semanais. Assim você não deixa de ser lembrado pelos seus seguidores sem mais ter de fazer
sozinho todo o trabalho, ou a obra, no jargão protestante.
Treine os pastores para que eles consigam imitar perfeitamente seus gestos e voz. Isso
possui um efeito subliminar muito importante sobre os fiéis. Eles inconscientemente ficarão
com a sensação de que você está sempre por perto, acreditando que você tem o dom da
onipresença.
Capítulo 7 – Expandindo a igreja
As igrejas evangélicas, na falta de saúde pública na região, também curam os enfermos.
Agora você nem precisa mais bancar o pastor, pois já tem um quadro de profissionais
competentes para isso, e o rebanho de fiéis cada vez mais aumenta, chegando uma hora em que
o seu barracão não comporta mais todo mundo. Chegou a hora de você construir uma sede maior
para a igreja. Para ter uma idéia de como é uma igreja evangélica de médio porte, faça como
você já fez nas aulas teóricas: vá até uma Igreja Universal e anote toda a infra-estrutura,
desde o tamanho até o número de cadeiras disponíveis, a quantidade de cômodos além do
auditório, incluindo secretaria e centros de atendimento aos fiéis. Nesse ponto, estimo que
se passou um ano desde a fundação da igreja, e você deverá ter por volta de 100 mil reais
disponíveis para erguer um templo de verdade, digno da sua ambição.
Compre um terreno próximo ao barracão clerical onde você fundou a igreja e inicie a
construção do novo templo, que deverá suportar até 5000 pessoas, incluindo agora cadeiras de
melhor qualidade, um altar igual àqueles usados na IURD, alguns banheiros e um setor de
atendimento ao cliente. Dentro de alguns meses o complexo estará pronto, desde que você
contrate uma boa equipe de pedreiros e um engenheiro confiável para a obra. A despesa da
construção estará entre 100 e 200 mil reais para um templo de tamanho médio, mas se você já
tem 1000 fiéis, serão 70 mil reais por mês com as ofertas, e mesmo descontando aluguel,
contas e salários, sobram mais de 50 mil, portanto um ano é mais do que suficiente para
angariar os fundos necessários à expansão da igreja.
Quando a nova sede ficar pronta, imediatamente transfira todas as atividades para lá, assim
você não precisará mais pagar aluguel todo mês. Agora a sua igreja está bem maior do que no
início, e certamente você já contratou secretárias, faxineiras e mais alguns pastores,
possibilitando cultos três vezes por dia. Você já é conhecido nos bairros vizinhos também,
inclusive atraindo pessoas da classe média, agora que o templo está mais sofisticado, o que
significa que o dízimo só tende a aumentar. Está na hora de criar mais algumas atrações para
o seu respeitável público.
Capítulo 8 – Atividades extras
Calma, ele não está asfixiando o sujeito. Isso é uma sessão de descarrego.
Igreja que é igreja não oferece apenas cultos. Como a Igreja Multinacional da Máfia de Deus
já não é uma igrejinha de fundo de quintal, podemos pensar em outras atividades para as
pessoas. A mais clássica atividade extra-culto sem dúvida alguma é a sessão de descarrego,
acompanhada de outras coisas como Vale do Sal, Óleo Santo do Monte Sinai e por aí vai. Antes
de mais nada, organize sessões de descarrego uma vez por semana, preferencialmente no culto
de domingo à tarde, quando todos podem ir à igreja. Nem se preocupe em aprender a
descarregar encostos, já que os seus pastores se encarregarão de todo o trabalho árduo, mas
não se esqueça de aparecer de vez em quando na sede para acompanhar as sessões e mostrar a
todos que você é um líder presente.
O próximo passo é criar alguns itens mágicos, exatamente como aqueles dos RPGs, e lhes
atribuir poderes espirituais para serem usados em atividades extra-culto. Por exemplo, pegue
uma espada de madeira, pode ser uma daquelas de Kendô mesmo, e use-a numa sessão de
descarrego para auxiliar na luta contra os encostos. Basta dizer que se trata da Espada
Sagrada Vorpal +5 do Arcanjo Miguel; o efeito psicológico sobre os fiéis é garantido. Também
vale criar cenários exóticos durante a sessão, como é o caso do Vale do Sal. Uma boa idéia
de cenário diferente é, em vez do sal, espalhar um monte de rosas vermelhas no caminho até o
altar, que deverá ser percorrido por todos os fiéis, e no altar você colocar um boneco de
pano com um pouco de areia dentro, pendurado no teto por uma corda, igual àqueles negócios
usados para treinar Boxe e Muay Thai. O boneco deverá ser a cara do Saga de Gêmeos em seu
lado maligno, e então você deverá mandar o seu seguidor encher de porrada o boneco, que
representa o demônio e todos os males que ele está enfrentando.
Chute o demônio, expulse o mal que lhe atormenta!! Não desista, em nome de Jesus!!
Você estimulando o povão a socar o boneco do Saga de Gêmeos
A criatividade é toda sua para inventar outras atividades similares, que certamente animarão
a multidão, porque o pessoal adora novidades. Uma outra idéia é fazer as sessões de
descarrego tradicionais no domingo e as sessões personalizadas no meio da semana, mas sempre
variando a temática da sessão; num dia, Vale das Rosas contra o Saga, no outro, a Bênção da
Espada +5, e assim sucessivamente.
Capítulo 9 – Abrindo filiais
Agora você poderá comandar igrejas deste porte.
Parabéns, jovem empresário pastor. A sua igreja é um imenso sucesso e você nunca viu tanto
dinheiro de dízimos e ofertas na sua mão. Uma igreja só não é mais suficiente para manter o
seu império em expansão, então vamos pensar em abrir novas filiais da Igreja Multinacional
da Máfia de Deus. Procure mais alguma comunidade grande e ignorante da sua cidade, nos
moldes da favela onde você abriu aquele barracão inicial, e construa outro templo igual ao
que você usa agora como sede matriz. Contrate mais pastores e secretárias para trabalharem
apenas na nova filial e mantenha lá a mesma grade horária da matriz, incluindo as atividades
extra-culto, com a diferença de que você não precisa ficar visitando a filial toda semana.
Com a grana que você está faturando agora, é possível abrir várias filiais por ano, afinal o
império não pode parar, certo? Pois meta a mão à obra e abra várias filiais logo depois
desta, cobrindo toda a sua cidade com a sua igreja por meio de filiais localizadas em pontos
estratégicos. Se for um bairro grande, considere fazer um templo maior do que a matriz,
daqueles comparáveis a grandes ginásios esportivos pelo tamanho. E se tudo der certo, a sua
igreja será mais influente do que a Igreja Universal na sua cidade.
Por último, haverá a opção de instalar filiais em outras cidades do Brasil, quando não
houver mais espaço nas suas próprias redondezas. Isso dará bem mais trabalho, evidentemente.
Para levar o seu projeto a outras regiões, será necessário o último passo deste manual, que
é conquistar a mídia.
Capítulo 10 – Arrebatando a mídia(Pequenas igrejas,Grandes negócios)
Exemplo de publicação do gênero.
Finalmente, para transformar a sua igreja numa potência de nível nacional, será preciso
tomar para si o poder da mídia, e isso dará algum trabalho mesmo para a sua colossal igreja.
Comece por meio de jornais e periódicos próprios, publicados na sua cidade e região
metropolitana, o que garantirá de uma vez por todas a sua supremacia regional no âmbito
religioso/protestante. Até a Igreja Católica irá tremer perante a Igreja Multinacional da
Máfia de Deus. Depois disso, procure comprar horários na televisão para transmitir seus
cultos em todo o estado, e mais tarde, em todo o país. Comprar algumas horas de programação
lhe custará algumas centenas de milhares de reais por mês, mas agora a sua igreja é
milionária e isso não será nada para o seu tesouro.
Graças aos programas de TV, a sua igreja se tornou famosa em todo o país e concorre com as
maiores igrejas do ramo. Por último, como o golpe final rumo ao sucesso na carreira
evangélica, basta comprar uma emissora de televisão e nela veicular todos os seus cultos e
sessões alternativas de descarrego. Quando esse dia chegar, a sua igreja será imortalizada e
entrará para os anais da História.
Veja também
Igreja Universal do Reino de Deus
Edir Macedo
Romildo Ribeiro Soares
Crente
Aleluia irmão! Você, por meio deste livro, agora poderá criar a sua própria igreja
evangélica e ser tão poderoso quanto Edir Macedo e R. R. Soares! Basta seguir os seguintes
passos:
Tabela de conteúdo
[esconder]
1 Capítulo 1 – Nome e denominação da igreja
2 Capítulo 2 – Aulas teóricas
3 Capítulo 3 – Construindo o templo
4 Capítulo 4 – Convertendo os primeiros adeptos
5 Capítulo 5 – Cultos
6 Capítulo 6 – Expandindo o quadro de pastores
7 Capítulo 7 – Expandindo a igreja
8 Capítulo 8 – Atividades extras
9 Capítulo 9 – Abrindo filiais
10 Capítulo 10 – Arrebatando a mídia(Pequenas igrejas,Grandes negócios)
11 Veja também
Capítulo 1 – Nome e denominação da igreja
Cartaz de anúncio de igrejas evangélicas
Para iniciar a sua igreja protestante (que é sinônimo de evangélico se você não sabia),
antes de mais nada você deve escolher o tipo de protestantismo a ser seguido. São muitas
opções: Igrejas Luteranas, Batistas, Metodistas, Presbiterianas, Anglicanas, Biscaterianas e
o diabo a quatro, mas a opção de longe mais recomendada são as igrejas pentecostais, que
fazem um sucesso imenso no Brasil e não têm a obrigação de se pautar nas regras da Reforma
Protestante, que crente nenhum faz questão de conhecer. Ou melhor ainda, siga a linha
Neopentecostal, que é igual aos pentecostais, com a diferença de que as pessoas não podem
ver televisão à vontade e as mulheres precisam usar aquelas saias horrorosas e deixar o
cabelo descuidado.
Agora escolha qual será o nome da sua igreja. Isso não será difícil, basta você usar a sua
criatividade. Uma boa fórmula é começar o nome por Igreja, acrescentar um adjetivo
enaltecedor, com o objetivo de passar uma idéia de abrangência, e por último um sinônimo
para o lugar em que Deus vive, ou pelo menos que a maioria da população acredita ser o tal
lugar. Também pode ser qualquer outro lugar bíblico, como por exemplo o Monte Sinai ou a
muralha de Jericó. Abaixo segue um esquema:
Igreja + Adjetivo + do(a) + Substantivo + de Deus
Esquema prático de funcionamento de uma Igreja Evangélica.
Variantes sugeridas para o adjetivo:
Universal
Internacional
Interdimensional
Galáctica
Mundial
Intercontinental
Multinacional
Sensacional
Piramidal
Hexagonal
Maioral
Procedural
Carnal
Dodecagonal
Variantes sugeridas para o substantivo:
Reino
Graça
Universo
Poder
Empresa
Ordem
Máfia
Praça de Pedágio
Quadrilha
Patota
Turminha
Buraco
Suvaco
Barraco
Galáxia
Império
Para fazer exemplos, vamos pegar dois três modelos já existentes, mais alguns dos itens
acima e criar alguns nomes de igrejas neopentecostais:
Igreja Universal do Reino de Deus (modelo real 1)
Igreja Internacional da Graça de Deus (modelo real 2, claramente plagiado baseado no
primeiro)
Igreja Mundial do Poder de Deus (modelo real 3), claramente plagiado baseado nos dois
primeiros)
A partir destes dois e dos itens sugeridos acima:
Igreja Galáctica do Universo de Deus
Igreja Intercontinental da Ordem de Deus
Igreja Multinacional da Máfia de Deus
Igreja Sensacional do Pagode de Deus
Igreja Carnal do Suvaco de Deus
Igreja Dodecagonal da Patota de Deus
Se você quer modelos mais sofisticados, também é possível substituir Deus por outras
variantes bíblicas, mas aí não há uma receita de bolo. Mesmo assim darei alguns exemplos
mais avançados:
Igreja Interdimensional da Praça de Pedágio da Muralha de Jericó
Igreja do Santo Dízimo de Cristo
Igreja da Mina de Ouro no Monte Sinai
Igreja de Jesus Cristo e Maria Madalena no Barraco de Deus
Igreja do Santo Dinheiro de Wall Street
Perfeito, a nossa igreja evangélica já tem um nome agora. Para ilustrar melhor este livro,
usaremos o nome Igreja Dodecagonal da Praça de Pedágio de Deus a partir deste ponto. O
próximo passo é aprender como que se comanda uma igreja crente.
Capítulo 2 – Aulas teóricas
Este robô também ministra algumas aulas teóricas.
Evidentemente que, para mandar em uma igreja evangélica, você precisa ter a mínima noção de
como funciona uma igreja. Mas não se preocupe, não serão necessários dez anos de seminário
nem curso de Teologia para se aprender, visto que até garotinhas de cinco anos conseguem
chefiar multidões de crentes. A melhor fonte para você são as próprias igrejas que já
existem e fazem sucesso, como a Igreja Universal. Comece a ir em alguns cultos da IURD, veja
como o pastor fala e como ele faz para convencer o povo de que o dízimo de fato está
afastando delas o demônio. À noite, em vez de cair nas baladas (ou nas sessões de RPG se
você for um nerd), assista ao programa da Igreja Universal na Record, um prato cheio de
métodos e técnicas de conversão em massa de pessoas. Lembre-se de anotar todas as frases de
efeito proferidas pelos pastores e todos os versículos da Bíblia citados, mas pelo amor de
Deus, cuidado para você também não se converter à IURD; não se esqueça de que os traficantes
nunca se viciam nas drogas.
Além de acompanhar a prática conversiva na Igreja Universal, você também deverá ter um
material de estudo em casa, que não precisa ser uma Bíblia. Recomendo um daqueles
caderninhos vendidos em lojas evangélicas que vêm com uma lista de versículos bíblicos
prontos, e também versões da Bíblia para crianças, daquelas que são cheias de imagens e
texto bem simples, que qualquer moleque entende e se converte na hora (mas você não deve se
converter de jeito algum, não esqueça). Depois de alguns dias de estudo teórico, quando você
se sentir capaz de enrolar algumas pessoas com um discurso messiânico-capitalista, já poderá
pensar na construção do templo.
Capítulo 3 – Construindo o templo
Fachada da sua igreja.
Para ter uma igreja evangélica, é fundamental um lugar destinado às pregações. Para isso
você precisa arranjar um templo onde funcionará a Igreja Multinacional da Máfia de Deus. No
começo, o templo não precisará ocupar a área de um campo de futebol e/ou uma sede estadual
da Igreja Universal; o tamanho deve ser suficiente para juntar de 100 a 1000 pessoas no
máximo. Templos muito grandes exigem maiores despesas com aluguel e contas de água, luz e
telefone, e por ora você não pode pagar tudo isso. Alugue um barracão do tamanho de um
auditório, com um banheiro no máximo (mas que seja limpo né), e está ótimo por enquanto.
Dentro do barracão, coloque várias cadeiras plásticas de 1,99 e improvise um altar à frente,
com um crucifixo de madeira (pode ser aquele da casa da sua avó) e um microfone se possível,
senão você pode simplesmente falar um pouco mais alto e pronto.
Quanto à localização da igreja, prefira sempre comunidades grandes e pobres, de preferência
a maior favela da sua cidade, afinal gente pobre é muito mais fácil de manipular, se bem que
o dízimo per capita não será grande coisa, mas igreja nenhuma começou já convertendo o Kaká
e a Mara Maravilha logo de cara. Além disso, se o seu público inicial for carente, ninguém
vai ligar para a falta de infra-estrutura no seu barracão clerical. O seu templo não poderá
dar muitas despesas iniciais, como já foi dito acima; somando aluguel e as contas de água,
luz e telefone, não passe de mil reais por mês. Pelo menos você não terá de pagar IPTU, por
se tratar de uma igreja.
Capítulo 4 – Convertendo os primeiros adeptos
Esse é o objetivo das suas pregações.
Depois de arranjar uma sede inicial, está na hora de arrebatar otários fiéis para a Igreja
Multinacional da Máfia de Deus. Se você seguiu ipsis litteris o capítulo anterior, não será
difícil arrumar gente em meio à favela que você escolheu. Basta você prometer às pessoas que
a sua igreja vai tirá-las daquela pobreza toda, a qual só existe por causa da ação do capeta
sobre elas, e na pior das hipóteses, mesmo que a maioria morra pobre, a sua igreja lhes
garantirá a chegada ao Paraíso, onde nunca mais haverá privações e blablablá.
Para falar com os potenciais adeptos, espere até o próximo domingo e vá até algum ponto
freqüentado por toda a comunidade, podendo ser uma feira livre, um camelódromo ou o boteco
da esquina, e passe o dia fazendo pregações a quem passar por lá, afirmando todas as
qualidades dessa religião salvadora e omitindo os defeitos. Não se esqueça de citar vários
versículos bíblicos, por isso a importância daquele caderninho comprado na livraria
evangélica. Nos outros dias, tente seguir de barraco casa em casa falando com os moradores
da comunidade sobre a sua igreja, mas tenha cuidado para não parecer Testemunha de Jeová,
apenas diga que a sua nova igreja poderá lhes dar um novo sentido à vida, acabar com o
sentimento de pobreza e com certeza garantir a chegada ao céu. Também tenha cuidado
redobrado em não abordar a casa do traficante da região antes de ter recolhido pelo menos
alguns dízimos.
O seu objetivo inicial é converter em torno de 100 pessoas para a igreja. Consideremos que o
público é pobre e a renda mensal média desse povo gira na casa de 700 reais, portanto serão
mais ou menos 70 reais de cada um por mês. Haverá fiéis um pouco mais abonados, uma classe
média baixa talvez, com seus 1000 reais mensais, mas também tem os que não passam de 500
contos, por isso a média 700. Com esse público de 100 crentes, a receita total será de 7000
reais, contando só os dízimos. A despesa será de cerca de 1000 reais como foi falado acima,
portanto, se der tudo certo, você terá um lucro mensal de 5 a 6 mil reais no começo. No
primeiro mês, é melhor você ainda continuar no seu emprego normal, para poder custear os
primeiros aluguéis e contas, mas com o tempo você deverá dar total atenção à igreja, quando
você puder viver dos dízimos e ofertas.
Capítulo 5 – Cultos
Esse trecho bíblico será de suma importância para o seu empreendimento.
Os cultos são uma coisa muito importante, pois não existe igreja protestante sem cultos,
certo? No gênese da sua obra capitalista espiritual para com os carentes, você não precisa
fazer cultos a cada hora como nas igrejas mais poderosas, mas precisará de um mínimo de
atividade. Promova dois cultos semanais, um no domingo de manhã e outro no meio da semana,
podendo ser quinta-feira à noite, num horário acessível a todos, ou seja, depois do
trabalho. Evite a quarta-feira por ser este o dia do futebol na televisão, algo que
realmente afasta as pessoas do caminho da fé. Os cultos deverão durar cerca de uma hora e
você deverá estar bem vestido; para isso, arrume um terno preto o mais rápido possível.
Por enquanto você é o único pastor da igreja, o responsável por comandar os dois cultos
semanais. Mas não é tão difícil assim não, basta lembrar as aulas teóricas e enrolar a
multidão com alguns versículos da Bíblia, interpretados do jeito que você quiser, valendo
até achismo se você não entender direito o versículo; não interessa, todo mundo vai
acreditar na sua palavra. Depois de fazer uma leitura e interpretação de alguns trechos
bíblicos, escolhidos por você aleatoriamente uma hora antes do culto (para dar tempo de ler
pelo menos uma vez antes), bote gasolina na fogueira e comece a gritar palavras de ordem
contra o diabo, dizendo que Jesus Cristo tem o poder para vencer o mal e a sua igreja possui
o mais direto elo com Jesus. Logo depois desse sermão, lembre os seus seguidores de que a
fidelidade no dízimo é condição sine qua non para que Jesus se lembre de cada um deles. O
dízimo é a prova da aliança entre Deus e os homens, na verdade você não está pagando, mas
está devolvendo ao Senhor, pois Ele já lha dá toda a proteção contra o demônio, está assim
no livro de Malaquias e blablablá. Lembre-se de repetir isso em todos os cultos, para que as
pessoas sintam um medo absolutamente mortal de ousar não devolver o dízimo naquele mês.
Uma vez por semana, contrate algumas pessoas para aparecerem aos seus fiéis, dizendo que
você as curou de algum encosto ou que a sua igreja as livrou de uma crise de dívidas ou
coisa que o valha. Esses depoimentos acontecerão logo antes do culto dominical e farão com
que os adeptos acreditem ainda mais em seu pastor, que é você. Logo depois, antes de começar
o culto, peça a todos que tentem divulgar a igreja aos seus amigos e parentes, afinal essa
igreja realmente ajuda as pessoas, como ficou bem claro nos depoimentos.
Capítulo 6 – Expandindo o quadro de pastores
Veja o profissionalismo de um pastor.
Depois de um tempo, a sua igreja começará a ficar conhecida na comunidade, graças aos
milagres operados e devidamente divulgados por você e pelos depoimentos das pessoas
contratadas, e o número de fiéis deverá estar na casa de 500 dentro de poucos meses. A essa
altura, a Igreja Multinacional da Máfia de Deus recolhe cerca de 20 a 30 mil reais por mês
com os dízimos e você já pode pensar em começar a expandir o seu negócio. Vamos contratar
mais pastores para a igreja.
O salário de um pastor está por volta de 3 mil reais por mês, um ótimo pagamento, sendo que
ele trabalha poucas vezes por semana. Contrate três pastores profissionais para fazerem todo
o seu trabalho na igreja, agora você não precisará mais comandar os cultos pessoalmente.
Além disso, com esse novo pessoal, os cultos poderão ser diários e duas vezes por dia, sendo
um dia manhã e noite, o outro dia tarde e noite e assim sucessivamente, com o horário
previamente distribuído entre os três pastores. Apareça de vez em quando no culto do domingo
para falar sobre as pessoas que mudaram de vida com a igreja, acompanhando os depoimentos
semanais. Assim você não deixa de ser lembrado pelos seus seguidores sem mais ter de fazer
sozinho todo o trabalho, ou a obra, no jargão protestante.
Treine os pastores para que eles consigam imitar perfeitamente seus gestos e voz. Isso
possui um efeito subliminar muito importante sobre os fiéis. Eles inconscientemente ficarão
com a sensação de que você está sempre por perto, acreditando que você tem o dom da
onipresença.
Capítulo 7 – Expandindo a igreja
As igrejas evangélicas, na falta de saúde pública na região, também curam os enfermos.
Agora você nem precisa mais bancar o pastor, pois já tem um quadro de profissionais
competentes para isso, e o rebanho de fiéis cada vez mais aumenta, chegando uma hora em que
o seu barracão não comporta mais todo mundo. Chegou a hora de você construir uma sede maior
para a igreja. Para ter uma idéia de como é uma igreja evangélica de médio porte, faça como
você já fez nas aulas teóricas: vá até uma Igreja Universal e anote toda a infra-estrutura,
desde o tamanho até o número de cadeiras disponíveis, a quantidade de cômodos além do
auditório, incluindo secretaria e centros de atendimento aos fiéis. Nesse ponto, estimo que
se passou um ano desde a fundação da igreja, e você deverá ter por volta de 100 mil reais
disponíveis para erguer um templo de verdade, digno da sua ambição.
Compre um terreno próximo ao barracão clerical onde você fundou a igreja e inicie a
construção do novo templo, que deverá suportar até 5000 pessoas, incluindo agora cadeiras de
melhor qualidade, um altar igual àqueles usados na IURD, alguns banheiros e um setor de
atendimento ao cliente. Dentro de alguns meses o complexo estará pronto, desde que você
contrate uma boa equipe de pedreiros e um engenheiro confiável para a obra. A despesa da
construção estará entre 100 e 200 mil reais para um templo de tamanho médio, mas se você já
tem 1000 fiéis, serão 70 mil reais por mês com as ofertas, e mesmo descontando aluguel,
contas e salários, sobram mais de 50 mil, portanto um ano é mais do que suficiente para
angariar os fundos necessários à expansão da igreja.
Quando a nova sede ficar pronta, imediatamente transfira todas as atividades para lá, assim
você não precisará mais pagar aluguel todo mês. Agora a sua igreja está bem maior do que no
início, e certamente você já contratou secretárias, faxineiras e mais alguns pastores,
possibilitando cultos três vezes por dia. Você já é conhecido nos bairros vizinhos também,
inclusive atraindo pessoas da classe média, agora que o templo está mais sofisticado, o que
significa que o dízimo só tende a aumentar. Está na hora de criar mais algumas atrações para
o seu respeitável público.
Capítulo 8 – Atividades extras
Calma, ele não está asfixiando o sujeito. Isso é uma sessão de descarrego.
Igreja que é igreja não oferece apenas cultos. Como a Igreja Multinacional da Máfia de Deus
já não é uma igrejinha de fundo de quintal, podemos pensar em outras atividades para as
pessoas. A mais clássica atividade extra-culto sem dúvida alguma é a sessão de descarrego,
acompanhada de outras coisas como Vale do Sal, Óleo Santo do Monte Sinai e por aí vai. Antes
de mais nada, organize sessões de descarrego uma vez por semana, preferencialmente no culto
de domingo à tarde, quando todos podem ir à igreja. Nem se preocupe em aprender a
descarregar encostos, já que os seus pastores se encarregarão de todo o trabalho árduo, mas
não se esqueça de aparecer de vez em quando na sede para acompanhar as sessões e mostrar a
todos que você é um líder presente.
O próximo passo é criar alguns itens mágicos, exatamente como aqueles dos RPGs, e lhes
atribuir poderes espirituais para serem usados em atividades extra-culto. Por exemplo, pegue
uma espada de madeira, pode ser uma daquelas de Kendô mesmo, e use-a numa sessão de
descarrego para auxiliar na luta contra os encostos. Basta dizer que se trata da Espada
Sagrada Vorpal +5 do Arcanjo Miguel; o efeito psicológico sobre os fiéis é garantido. Também
vale criar cenários exóticos durante a sessão, como é o caso do Vale do Sal. Uma boa idéia
de cenário diferente é, em vez do sal, espalhar um monte de rosas vermelhas no caminho até o
altar, que deverá ser percorrido por todos os fiéis, e no altar você colocar um boneco de
pano com um pouco de areia dentro, pendurado no teto por uma corda, igual àqueles negócios
usados para treinar Boxe e Muay Thai. O boneco deverá ser a cara do Saga de Gêmeos em seu
lado maligno, e então você deverá mandar o seu seguidor encher de porrada o boneco, que
representa o demônio e todos os males que ele está enfrentando.
Chute o demônio, expulse o mal que lhe atormenta!! Não desista, em nome de Jesus!!
Você estimulando o povão a socar o boneco do Saga de Gêmeos
A criatividade é toda sua para inventar outras atividades similares, que certamente animarão
a multidão, porque o pessoal adora novidades. Uma outra idéia é fazer as sessões de
descarrego tradicionais no domingo e as sessões personalizadas no meio da semana, mas sempre
variando a temática da sessão; num dia, Vale das Rosas contra o Saga, no outro, a Bênção da
Espada +5, e assim sucessivamente.
Capítulo 9 – Abrindo filiais
Agora você poderá comandar igrejas deste porte.
Parabéns, jovem empresário pastor. A sua igreja é um imenso sucesso e você nunca viu tanto
dinheiro de dízimos e ofertas na sua mão. Uma igreja só não é mais suficiente para manter o
seu império em expansão, então vamos pensar em abrir novas filiais da Igreja Multinacional
da Máfia de Deus. Procure mais alguma comunidade grande e ignorante da sua cidade, nos
moldes da favela onde você abriu aquele barracão inicial, e construa outro templo igual ao
que você usa agora como sede matriz. Contrate mais pastores e secretárias para trabalharem
apenas na nova filial e mantenha lá a mesma grade horária da matriz, incluindo as atividades
extra-culto, com a diferença de que você não precisa ficar visitando a filial toda semana.
Com a grana que você está faturando agora, é possível abrir várias filiais por ano, afinal o
império não pode parar, certo? Pois meta a mão à obra e abra várias filiais logo depois
desta, cobrindo toda a sua cidade com a sua igreja por meio de filiais localizadas em pontos
estratégicos. Se for um bairro grande, considere fazer um templo maior do que a matriz,
daqueles comparáveis a grandes ginásios esportivos pelo tamanho. E se tudo der certo, a sua
igreja será mais influente do que a Igreja Universal na sua cidade.
Por último, haverá a opção de instalar filiais em outras cidades do Brasil, quando não
houver mais espaço nas suas próprias redondezas. Isso dará bem mais trabalho, evidentemente.
Para levar o seu projeto a outras regiões, será necessário o último passo deste manual, que
é conquistar a mídia.
Capítulo 10 – Arrebatando a mídia(Pequenas igrejas,Grandes negócios)
Exemplo de publicação do gênero.
Finalmente, para transformar a sua igreja numa potência de nível nacional, será preciso
tomar para si o poder da mídia, e isso dará algum trabalho mesmo para a sua colossal igreja.
Comece por meio de jornais e periódicos próprios, publicados na sua cidade e região
metropolitana, o que garantirá de uma vez por todas a sua supremacia regional no âmbito
religioso/protestante. Até a Igreja Católica irá tremer perante a Igreja Multinacional da
Máfia de Deus. Depois disso, procure comprar horários na televisão para transmitir seus
cultos em todo o estado, e mais tarde, em todo o país. Comprar algumas horas de programação
lhe custará algumas centenas de milhares de reais por mês, mas agora a sua igreja é
milionária e isso não será nada para o seu tesouro.
Graças aos programas de TV, a sua igreja se tornou famosa em todo o país e concorre com as
maiores igrejas do ramo. Por último, como o golpe final rumo ao sucesso na carreira
evangélica, basta comprar uma emissora de televisão e nela veicular todos os seus cultos e
sessões alternativas de descarrego. Quando esse dia chegar, a sua igreja será imortalizada e
entrará para os anais da História.
Veja também
Igreja Universal do Reino de Deus
Edir Macedo
Romildo Ribeiro Soares
Crenteseal[1]

PASTORES FAZENDO A LAVAGEM CEREBRAL

October 12, 2009

A “Voz Cadenciada” é um padrão, um estilo de fala ritmada usada por hipnotizadores para induzir transe. Ela é freqüentemente utilizada por advogados, muitos dos quais são hipnotizadores altamente qualificados, e precisam dessa técnica para fortalecer a aparência de seus argumentos nas mentes os jurados. Na prática, um orador falando em “Voz Cadenciada” parece estar seguindo o ritmo de um metrônomo, como se enfatizasse cada palavra num estilo monótono e padronizado. Idealmente são ditas cerca de 45 a 60 palavras por minuto, maximizando, desse modo, o efeito hipnótico. Agora “na igreja” começa o processo principal. Após induzir um estado alterado de consciência, passam a ter como objetivo gerar excitação e expectativa na audiência. Comumente virá um grupo de jovens mulheres em vestidos “angelicais e puros” para cantar. Músicas Gospel são ótimas para gerar excitação e envolvimento. No meio da canção alguma delas pode ser “acometida por um espírito” e cair no chão, ou reagir como se estivesse sendo possuída pelo Espírito Santo. Isso aumenta muito eficientemente a tensão no ambiente. Nessa situação, táticas de conversão e hipnose estão sendo misturadas e, como resultado, a audiência está totalmente absorta. O ambiente vai tornando-se cada vez mais e mais tenso. Exatamente neste momento, quando o estado mental alfa foi atingido, passarão com a “cestinha de coleta”. Ao fundo da igreja o pastor assistente com sua “Voz Cadenciada” provavelmente estará incitando os presentes dizendo “sempre cerca de 45 vezes por minuto” algo do tipo: “Dê a Deus… Dê a Deus… Dê a Deus… Dê a Deus…”, e a audiência obedece. Pode ser que Deus não receba o dinheiro, mas seus ricos representantes vão recebe-lo. A seguir aparece o pregador “fogo e enxofre” induzindo medo e tensão, falando sobre o “demônio”, “ir ao inferno” ou a “proximidade do fim do mundo”. No último encontro desse tipo em que fui, o pregador falava que em breve haveria apenas sangue saindo de todas as torneiras da Terra. Ele também era obcecado com o “machado sangrento do divino”, que todos haviam “visto” na semana passada pendurado acima do púlpito. Não tenho dúvida de que todos o viram, o poder da sugestão aplicado a centenas de pessoas em hipnose assegura que ao menos 10 a 25 por cento delas veria qualquer coisa que ele dissesse estar lá. Na maioria desses encontros, após o “testemunho ocular”, segue-se um sermão predominantemente baseado no medo. As pessoas da audiência virão ao palco para contar suas histórias. “Eu era aleijado e agora posso andar!”, “Eu tinha artrite e agora ela se foi!”. É um tipo de manipulação psicológica que realmente funciona. Depois de ouvir numerosos casos de curas milagrosas, as pessoas normais na platéia com problemas simples estarão convictas de que podem se curar. O lugar está carregado de medo, culpa, excitação e expectativas. Os que pretendem se curar freqüentemente se enfileiram e são guiados até a frente. Pode ser que o pregador toque suas cabeças e grite “cure-se!”. Isso descarrega a energia psíquica e, em muitos, causa catarse, que é a liberação de emoções reprimidas. Os indivíduos podem chorar, cair no chão ou até ter convulsões. E se a catarse realmente for atingida, há uma boa chance de se curarem. Nesse estado “que é uma das três fases cerebrais mencionados anteriormente” as programações cerebrais são “desativadas” temporariamente, e assim surge o ensejo para que novas sugestões sejam incutidas. Para alguns a cura é permanente, para a maioria vai durar de 4 a 7 dias. Essa duração “coincidentemente” é quase a mesma de uma sugestão hipnótica dada a um sonâmbulo. E mesmo que a cura não seja permanente, se voltarem toda semana, o poder da sugestão pode vir a solucionar o problema, mas tristemente também pode acabar mascarando algo sério que em longo prazo pode ser extremamente prejudicial. Para evitar confusões gostaria de deixar claro que não classifiquei todas as curas como fraudes. Algumas não são. Talvez o indivíduo estivesse pronto para livrar-se da negatividade que causara o problema, talvez tenha sido Deus. Entretanto, todas essas curas podem ser plenamente explicadas com o conhecimento atual sobre o funcionamento da mente humana. As técnicas e a organização das cerimônias vão variar de igreja para igreja.

Muitos falam em outras línguas para induzir a catarse em alguns indivíduos, enquanto o espetáculo cria imensa tensão no resto de seus observadores. As técnicas hipnóticas usadas pelas religiões são muito sofisticadas e profissionais do ramo estão se certificando de que eles se tornem cada vez mais eficientes. Um homem em Los Angeles está projetando, construindo e reformando muitas igrejas pelo país. Ele também instrui os ministros sobre essas técnicas e ensina-os a utiliza-las.

Segundo suas estatísticas, o número de congregações e o fluxo monetário dobrarão se suas instruções forem seguidas. Entretanto, ele admite: 80% de seus esforços incidem sobre iluminação e acústica. Acústica e iluminação apropriadas são de importância vital na indução de estados alterados de consciência. Eu tenho as usado por anos em meus seminários, mas, entretanto, todos os participantes estão cientes disso. 6 – Seis Técnicas de Conversão Organizadores de cultos e treinamentos de potencial humano estão sempre procurando por novos adeptos, e para que tenham sucesso na conversão, é preciso induzir uma fase cerebral.

Freqüentemente isso tem de ser feito em um curto período de tempo, um fim de semana, ou mesmo um dia. O encontro geralmente acontece em um local onde os participantes ficam isolados do mundo exterior. Uma casa, um estabelecimento na zona rural ou mesmo um hotel. Nesses cursos, será feito um longo discurso sobre a importância de “honrar os contratos e promessas” na vida. Alegam que se não cumprirem o que dizem, suas vidas nunca darão certo. A responsabilidade, a princípio, é uma qualidade, mas os manipuladores estão subvertendo algo com valor positivo para seus próprios fins egoístas. Os participantes, então, juram a si mesmos e aos seus “instrutores” manter seus acordos.

Quem não quiser aceitar o acordo será coagido a fazê-lo ou então terá de deixar o grupo. A próxima etapa é concordar em fazer o curso na sua totalidade; isso assegura uma alta porcentagem de conversões. Também terão de concordar sobre a abstenção do uso de drogas, tabaco e por vezes até de comer, ou então os intervalos dados para alimentação serão tão curtos que na verdade acabam por aumentar ainda mais a tensão. O verdadeiro motivo de toda essa insistência em “manter os acordos” é alterar a fisiologia normal do corpo, gerando ansiedade e, com alguma “sorte”, uma disfunção nervosa que, por sua vez, aumenta o potencial de conversão. Antes que o encontro se encerre, serão relembrados seus “acordos”, e assim irão ter de procurar por novos adeptos como prometido.

Por ter sido tão enfatizada a importância de se “manter a palavra”, os recém-convertidos tentarão forçar todos os seus conhecidos a fazer o curso. Dizem para apenas assistirem uma sessão introdutória grátis. Claramente podemos perceber que se tornaram fanáticos. De fato, no âmbito dos treinamentos e cursos de desenvolvimento de potencial humano, o maior e mais bem-sucedido ramo é “venda através do fanatismo”. Há pelo menos um milhão de pessoas graduadas nesse tipo de treinamento. Dessas, uma boa porcentagem foi deixada com um “botão de ativação” para assegurar lealdade ao seu “guru” se ele vier a precisar. Pense nas implicações políticas potenciais contidas em centenas de milhares de fanáticos programados para defender seus “mestres”.

As seis técnicas seguintes são mais usadas nessas conversões. Primeira Técnica 1#. Esteja alerta caso uma dessas organizações ofereça sessões de “manutenção” após o curso principal. Podem ser encontros semanais ou novos cursos lecionados periodicamente. Tentarão convencê-lo a participar dessa “manutenção” para manter controle sobre seus “aprendizes”. Assim como souberam os Renovadores Cristãos, eles também sabem que para haver sucesso em manipulações de longo prazo é imprescindível que existam sessões de “manutenção” posteriores à conversão. Segunda Técnica 2#. Outra evidência de que táticas de conversão estão sendo utilizadas são as “atividades” que causam fadiga física e/ou mental. Consegue-se isso normalmente ao deixar os participantes tão ocupados por longos períodos de tempo que não têm tempo para refletir ou pensar sobre o que estão fazendo/ouvindo. Terceira Técnica 3#.

Essa categoria, dizendo de modo simples, engloba todas técnicas usadas para aumentar a tensão no ambiente. Quarta Técnica 4#. Insegurança. Eu poderia passar horas descrevendo várias técnicas usadas para gerar insegurança. A maioria dos participantes tem grande receio de que seus “treinadores” o coloquem no centro das atenções frente ao grupo. Uma das práticas mais comuns é levar os participantes a relatar seus segredos íntimos, e normalmente também são constrangidos a participar de atividades que enfatizem a “remoção de suas máscaras”. Em um desses cursos, colocava-se um participante num palco de frente a todos os outros enquanto era verbalmente atacado pelos seus instrutores. Uma pesquisa feita alguns anos atrás mostrou que a fobia mais comum entre as pessoas é falar em público. Esse medo estatisticamente é ainda maior do que lavar o exterior de uma janela no 85o de um prédio.

Levando isso em conta, pode-se imaginar a insegurança e o pavor gerados. Boa parte sucumbe, mas a maioria enfrenta essas situações de estresse extremo simplesmente “fugindo” mentalmente. Eles literalmente entram em alfa, o que os torna automaticamente muito mais sugestionáveis do que normalmente seriam. Essa situação representa mais um passo no caminho da conversão. Quinta Técnica 5#. Um outro traço típico é o uso de jargões ou neologismos que apenas tenham significado aos participantes do curso. Linguagem capciosa, depravada e/ou confusa também é usada propositalmente para causar constrangimento Sexta Técnica 6#. Mais um sintoma do uso das técnicas de conversão é evitar o humor, ao menos até serem convertidos.

Após isso, o divertimento e humor são altamente visados por serem símbolos da nova “felicidade” que os participantes supostamente teriam encontrado. Eu não diria que esses encontros são totalmente inúteis, talvez possam ter algum resultado positivo, mas acho importante saber o que está acontecendo, mantermo-nos atentos ao que está sendo feito por detrás das aparências. Se tivermos consciência plena dos fatos, podemos discernir mais claramente se esse tipo de situação é ou não de nosso interesse. Ao longo dos anos, conduzi seminários para ensinar pessoas a se tornarem hipnotizadoras, instrutoras e conselheiras. Muitas delas, após assistirem meus cursos e utilizarem as técnicas ensinadas, me procuravam e faziam a seguinte pergunta:

“Estou aqui porque realmente suas técnicas funcionam, mas não entendo por que”. Após explicar como e por que funcionavam, muitas acabaram saindo do ramo ou então decidiram abordar as coisas de maneira diferente, enfatizando um modo de agir mais afetuoso e sincero. Várias delas se tornaram amigas íntimas, e mesmo que sejamos especialistas, também é assustador para nós o sentimento de poder experimentado frente a um microfone em uma sala cheia de pessoas. No entanto, apenas adicionando um pouco de ousadia e carisma, podemos ter a certeza de que haverá uma grande porcentagem de conversões. A triste verdade por detrás disso é que esta alta porcentagem se deve ao fato de esses espectadores serem “crentes cegos”, pessoas que querem livrar-se de seu poder, de sua liberdade. Cultos, treinamentos e cursos dessa espécie oferecem ocasiões ideais para se observar em primeira mão o que tecnicamente se

chama “Síndrome Stockholm”. Ela é o estado no qual aqueles que foram intimidados, controlados ou torturados começam a amar, admirar ou até mesmo desejar sexualmente seus manipuladores. Deixe-me alertá-los de uma coisa: se você acha que pode participar de tais encontros sem ser afetado, provavelmente está enganado. Um exemplo perfeito é o caso de uma mulher que foi estudar Vodu no Haiti. Em seu relatório, explicava como a música induzia estados alterados de consciência e movimentos incontroláveis do corpo. Apesar de entender esse processo “e por isso imaginar-se imune”, quando começou a sentir-se vulnerável à música, tentou fugir e lutar. Nesses casos, ódio e resistência praticamente garantem o sucesso da conversão. Poucos momentos depois estava possuída pela música e começou a dançar em transe pelo local.

Uma fase cerebral havia sido induzida pela música e excitação, e devido a isso ela acordou sentindo-se “renovada”. Portanto, vemos que lutar não é a solução. O único modo de tentar evitar a conversão é permanecer neutro, não permitir que emoções positivas ou negativas venham à tona, mas poucas pessoas são capazes disso. Antes de continuar, vamos voltar ao assunto das seis técnicas de conversão. Gostaria de dizer algo sobre o governo dos Estados Unidos e seus acampamentos militares. Os fuzileiros navais falam sobre “demolir” os homens antes de “reconstruí-los”. Bem, na verdade, é exatamente o que fazem. Do mesmo modo que os cultos “demolem” as pessoas e voltam a “reconstruí-las” como “conformadas e felizes vendedoras de flores”, o Exército as reconstrói como “soldados”.

Todas as seis técnicas de conversão são utilizadas nos acampamentos militares. Eu entendo as necessidades da vida militar, por isso não estou julgando isso como bom ou ruim, apenas afirmo que pessoas estão sofrendo Lavagem Cerebral, isso é fato. Aqueles, no exército, que se não se submeterem, serão dispensados ou passarão grande parte de seu tempo em atividades de segunda importância. 7 – Processo de Decognição Uma vez bem-sucedida a conversão, os cultos, exércitos e grupos similares não podem permitir que exista deliberação entre seus membros. Eles devem responder aos comandos e fazer exatamente o que lhes foi incumbido, do contrário o controle organizacional seria comprometido. Na maioria dos casos, conseguem isso utilizando um processo trifásico de decognição. Primeiro passo: comprometer a atenção e vigilância. Os manipuladores esforçam-se para causar disfunções nervosas, tornando difícil distinguir entre fantasia e realidade. Isso pode ser feito de vários modos. Uma dieta pobre ou mal balanceada é um deles. Por exemplo, biscoitos e “Kool-Aid”.

Todos sabemos que açúcar diminui a vigilância. Outra versão mais sutil é a “dieta espiritual” utilizada em muitos cultos, na qual só se comem frutas e vegetais, abstendo-se de grãos, nozes, lacticínios e carnes. Dietas desse tipo deixam as pessoas “avoadas”. Sono inadequado é outro fator essencial na redução da vigilância, especialmente quando combinado com longas horas de trabalho ou intensa atividade física. Analogamente, bombardeando-os com experiências intensas e únicas, chega-se ao mesmo resultado. Segundo passo: confundir. Aqui você é mentalmente sobrecarregado ao mesmo tempo em que sua vigilância está comprometida. Consegue-se isso injetando muitas informações novas, como leituras, grupos de discussão e também normalmente o manipulador satura a mente dos indivíduos com questões. Durante essa fase da Decognição, realidade e ilusão facilmente se misturam, e com isso argumentos embasados numa lógica distorcida podem vir a ser aceitos sem maiores questionamentos.

Terceiro passo: suprimir o pensamento. São técnicas usadas para superficializar a mente. O procedimento é basicamente focar toda a atenção em algo muito simples, o que conseqüentemente gera calma e tranqüilidade. Por períodos longos, isso origina sentimentos de elevação e às vezes alucinação. O pensamento, assim, é fortemente suprimido e, na verdade, se essa atividade for feita por tempo suficiente, resultará na interrupção total do pensar, apagando temporariamente tudo e todos da mente, com exceção do que o controlador sugerir que seja mantido. Nessa situação a tomada de controle está efetivada.

É importante salientar que quando ensinam as técnicas de “supressão do pensamento” aos membros de um curso, além de omitirem seus verdadeiros efeitos fisiológicos, também dizem que há muitos benefícios em seu uso: serão “iluminados” e se tornarão “melhores soldados”.

Existem três técnicas principais usadas na supressão do pensamento. A primeira é a “marcha”. Trata-se de uma batida musical apropriada que literalmente gera a auto-hipnose e assim suscetibiliza a pessoa à sugestão.

A segunda é a meditação. Se você passar uma hora e meia por dia meditando, poucas semanas depois haverá uma grande chance de não retornar ao estado beta de consciência novamente, continuando permanentemente em alfa enquanto continuar com as sessões diárias de meditação. Isso não é essencialmente ruim, se a meditação for feita sozinha, pode vir a ser muito benéfica, mas não deixa de ser um fato que a conseqüência disso tudo é apenas a superficialização da consciência. Eu testei a atividade neural de meditadores, e os resultados obtidos foram conclusivos: quanto mais se medita, mais superficial a consciência se torna. E caso o procedimento seja feito por tempo suficiente e combinado com a decognição,

todo o pensar cessa. Alguns grupos espirituais alegam se tratar do “nirvana”, mas a meu ver essa explicação é um engodo. Pois esse estado não passa, simplesmente, de um resultado psicológico previsível. Penso ainda que se o céu na terra é “superficializar-se” e “alienar-se”, então por que ainda continuamos com nossas “vidas horríveis” (leia- se “cheias de reflexão”) se podemos ter o “nirvana”. A terceira técnica é o canto. Comumente utilizado em conjunto com a meditação. As três técnicas mencionadas acima causam um estado alterado de consciência. Podem, é claro, ser muito benéficas se você estiver comandando o processo,

porque assim controla também as finalidades. Eu pessoalmente uso a programação por auto-hipnose pelo menos uma vez ao dia, e sei quão beneficial ela é para mim. Mas sempre é bom manter em mente que o uso muito freqüente dessas técnicas pode fazer com que se permaneça no estado alfa continuamente, e apesar de que isso aumenta o relaxamento e bem-estar, também nos torna mais sugestionáveis. 8 – Crentes Cegos & Movimentos Coletivizados Antes de fechar o assunto “conversão”, gostaria de falar sobre as pessoas mais suscetíveis a ela e também sobre os Movimentos Coletivizados.

Tenho plena convicção de que pelo menos um terço da população mundial se enquadra perfil que Eric Hoffer denomina “Crentes Cegos”. São literalmente seguidores cegos, pessoas que querem livrar-se de seu poder. Elas procuram por respostas, significados e iluminação em coisas externas a si mesmas. Hoffer diz em seu livro “O Crente Cego” (um clássico sobre o assunto) que “essas pessoas não pretendem conseguir fortalecimento ou auto-afirmação, mas apenas fugir de si mesmas, dando o controle de suas vidas a outrem.

São seguidoras não porque procuram auto- superação, mas, na verdade, porque anseiam a auto-renúncia!”. Hoffer também diz que os Crentes Cegos “são eternamente incompletos e inseguros”. Aprendi tudo isso por experiência própria. Ao longo dos anos em que passei ensinando técnicas e conduzindo treinamentos, defrontei-me com essas pessoas constantemente. Tudo que podia fazer era tentar mostrar que a única coisa a ser procurada é o autoconhecimento, que devem encontrar suas respostas apenas em si mesmas.

Mas quando eu explicava que a base da espiritualidade é a responsabilidade consigo mesmo e o autoconhecimento, respondiam: “você não é espiritual”, e saiam a procura de outra pessoa que lhes desse o dogma que desejavam. Nunca subestime o perigo que essas pessoas representam. Elas podem ser facilmente transformadas em fanáticas que defenderão a ferro e fogo suas “causas sagradas”. Isso se dá porque essas “causas sagradas” na verdade substituem a fé que perderam em si mesmas. A maioria dos moralistas também é formada por “crentes cegos”. Facilmente encontramo-los em cultos, igrejas, comércio, grupos sociais e também na política, constituindo o segmento fanático dessas organizações.

Praticamente todos Movimentos Coletivizados possuem um líder carismático para servir de guia. Os fanáticos querem converter todos ao seu ponto de vista, e se necessário procurarão por leis existentes ou tentarão criar novas para chegar ao seu objetivo. Isso fica evidente ao vermos os esforços dos políticos moralistas. É essencial para o sucesso dos Movimentos Coletivizados que todos possuam um ódio, inimigo ou “demônio” em comum. Os Renovadores Cristãos, apesar de terem Satã como seu “inimigo”, não acharam isso suficiente: incluíram na lista também os ocultistas, pensadores modernos e recentemente todos aqueles que se opõem à integração do Estado com a Igreja, como deixaram claro em suas campanhas políticas.

Quando há revoluções, o “demônio” costuma ser o poder vigente ou a aristocracia. Alguns movimentos organizam-se de uma forma mais inteligente, por isso não pedem diretamente que seus “graduados” tomem partido em seu favor, porque isso os colocaria na posição de “líderes fanáticos”, mas se você olhar de perto verá que, de um modo dissimulado, seus “demônios” são todos aqueles que não fizeram o “curso”. Também existem os movimentos sem os “demônios”, mas eles raramente tomam grande porte. A grande maioria dos “crentes cegos” pode ser dividida em três classes: 1) as pessoas inseguras; 2) as mentalmente desequilibradas; 3) as “solitárias”, sem esperanças e amigos. De qualquer modo, o fato é que as pessoas não precisam de aliados quando seu objetivo é amar, mas apenas quando odeiam ou se tornam obcecadas por algo. Esses obstinados que desejam uma “vida nova” ou uma “nova ordem” acham que os modos atuais de vida devem ser extirpados antes que possam começar a construir seu “mundo ideal”.

9 – Técnicas de Persuasão Tecnicamente, a persuasão não é lavagem cerebral, mas apenas um modo convencer outro indivíduo sem que ele tenha plena consciência do que causou a sua mudança de opinião. Vou apenas introduzi-los a algumas das centenas de técnicas utilizadas atualmente, cuja essência é conseguir acesso ao lado direito do cérebro. O lado esquerdo do cérebro é analítico e racional, o direito é criativo e imaginativo. Isso está extremamente simplificado, mas, por hora, é só que precisamos saber sobre o funcionamento cerebral.

O processo inicial para efetivar a persuasão gira em torno da idéia de distrair e manter ocupado o lado esquerdo do cérebro. Numa situação ideal, os manipuladores induziriam um estado alterado de consciência; com os olhos abertos; fazendo com que você passe do estado beta para o alfa. Vou apresentar um exemplo de como distrair o cérebro esquerdo. Políticos usam essas técnicas o tempo todo; advogados utilizam muitas de suas variações, e chamam isso de “apertar o cerco”. Suponha por um momento estar assistindo um político discursar. A primeira parte desse discurso é a “axiomática”.

Ele tentará condicionar os seus ouvintes a concordar com tudo o que diz fazendo afirmações indiscutivelmente verdadeiras. Às vezes, durante essa parte, as pessoas até balançam suas cabeças em sinal de concordância. A próxima etapa é a dos “truísmos”. São verdades discutíveis, mas uma vez que o político já possui o assentimento da audiência, é muito improvável que eles parem para pensar independentemente, e deste modo continuarão a concordar. Por último vem a “sugestão”. É a parte na qual o político diz o que você deve fazer, pois admitindo que se tenha concordado com todo o discurso, essa sugestão poderia facilmente vir a ser aceita.

Prestando-se atenção no discurso abaixo, ver-se-á que as três primeiras sentenças são “axiomas”, as próximas três são “truísmos” e a última uma “sugestão”. “Senhoras e senhores, vocês estão revoltados com os altos preços dos produtos alimentícios? Estão cansados do preço astronômico da gasolina? E também da inflação fora de controle? Bem, vocês todos sabem que o outro partido permitiu que a inflação chegasse a 18% ano passado; também devem saber que o crime aumentou 50% no país nos últimos 12 meses.

Ainda por cima, seus salários mal estão cobrindo as despesas. A resposta para todos esses problemas é eleger John Jones para o Senado Estadunidense.” Imagino que você já tenha ouvido tudo isso, mas mantenha-se atento às chamadas “reações inconscientes”. Exemplo: o orador faz um gesto com a mão esquerda ao mesmo tempo em que diz uma certa palavra chave. Pesquisas demonstraram que isso tende a afetar a parte direita do cérebro. Os políticos hoje em dia são altamente treinados por especialistas do ramo da neurolingüística, que lançam mão de todas as técnicas “tanto antigas quanto novas” que ajudem a persuadir os eleitores a votar em seus candidatos.

conceitos e técnicas da neurolingüística são tão pesadamente protegidos que apenas falar sobre eles publicamente ou em artigos pode vir a resultar em processos legais. Ainda assim, treinamentos na área estão prontamente disponíveis a qualquer um disposto a pagar o preço. Ela é um dos métodos mais sutis e poderosos de manipulação que já conheci. Uma amiga minha que recentemente participou de um seminário de duas semanas sobre neurolingüística notou que a maioria dos presentes eram políticos. Uma outra técnica extremamente ardilosa chama-se “Técnica da Fachada”.

Basicamente ela consiste em dizer uma coisa com as palavras, mas deixar outra impressão subconsciente na mente dos ouvintes. Deixe-me exemplificar: imagine-se assistindo televisão, e então ouvindo o comentador dizer o seguinte: “O senador Johnson está ajudando as autoridades locais a limpar os estúpidos erros das companhias que contribuem para o problema do lixo nuclear”.

Isso parece possuir caráter apenas informativo, mas se o comentador enfatizar a palavra certa, e especialmente se fizer a gesticulação adequada, poderia passar a inconsciente impressão de que o Senador Johnson é estúpido. A ironia é que mesmo se essa fosse a intenção original do comentador, ainda assim não poderia ser acusado de nada. Técnicas de persuasão são freqüentemente usadas em menor escala, mas com a mesma eficiência. O vendedor de seguros sabe que venderá mais se conseguir fazer com que seus clientes concebam na mente a imagem que ele quer passar. Isso é comunicação pelo lado direito do cérebro. Por exemplo, no meio de uma conserva, o vendedor de seguros para, olha para sua sala, e pergunta:

“você consegue imaginar sua casa maravilhosa pegando fogo?” É claro que você consegue! Isso é um medo inconsciente, e quando ele lhe força a imaginar isso, provavelmente o deixará propenso a assinar o contrato proposto. Os Hare Krishnas, que operam em todos aeroportos, usam a técnica que eu denomino “choque e confusão” para distrair o lado esquerdo do cérebro e assim abrir uma linha de comunicação direta com o lado direito. Enquanto eu esperava pelo avião, uma vez assisti um deles por mais de uma hora.

Sua técnica consistia em quase pular na frente de alguém falando em voz alta pedindo que comprasse um livro e contribuísse com dinheiro para sua causa. Quando as pessoas estão chocadas, facilmente sucumbem à pressão. Neste caso, elas foram chocadas pela inesperada aparição de um devoto Hare Krishna falando em voz alta. Em tais situações, as pessoas passam, por segurança, ao estado mental alfa;

assim evitam confrontar a realidade que os assusta. E já que no estado alfa se tornam altamente sugestionáveis, reagem aceitando o livro; no mesmo momento em que o fazem, sentem culpa; livram-se dela aceitando a segunda sugestão: dar dinheiro. Isso acontece porque todos estamos condicionados à idéia de que se alguém nos dá algo, nós temos que dar algo em troca e, no caso, o algo é dinheiro.

Eu estava perto o suficiente do devoto para perceber que, enquanto ele “trabalhava”, as pessoas abordadas por ele apresentavam um sinal externo do estado alfa: suas pupilas estavam dilatadas. 10 – Programação Subliminar Subliminares são mensagens ocultas que apenas o subconsciente percebe. Podem ser sonoras, escondidas em uma música; também visuais, na forma de imagens esboçadas tão rapidamente que não há como percebê-las conscientemente;

ou então incorporadas de modo astucioso a uma foto ou desenho. A maioria das fitas de áudio usadas na programação subliminar é feita de sugestões verbais gravadas em freqüências muito baixas. Eu acho essa técnica questionável, porque se as sugestões subliminares não são perceptíveis aos sentidos, não podem surtir efeito algum. Todos sabemos que qualquer coisa gravada abaixo da amplitude audível dos seres humanos é inútil. A técnica de programação subliminar em áudio mais antiga consiste em uma voz que segue o tom da música, e assim se torna indetectável sem um equalizador paramétrico.

Mas ela é patenteada, e quanto eu quis desenvolver minha própria linha de fitas de áudio com programações subliminares, não tive sucesso negociando com os possuidores da patente. Meu advogado, então, obteve cópias das patentes, as quais eu dei a um talentoso engenheiro do ramo e pedi a ele que criasse uma nova técnica. Foi encontrado um modo de sintetizar e modificar psico-acusticamente as mensagens para que fossem reproduzidas na mesma freqüência da música, desse modo aparentando ser parte dela. Percebemos que usando essa técnica fica impossível reduzir as outras freqüências para possibilitar a detecção da programação subliminar mascarada.

Em outras palavras, apesar de as sugestões estarem sendo ouvidas pelo subconsciente, não podem ser detectadas nem mesmo com o equipamento mais sofisticado. Se para nós inventar uma técnica nova foi tão fácil, vendo a tecnologia atual e todo o capital aplicado em publicidade, apenas fico a imaginar quão desenvolvidas essas técnicas devem estar atualmente.

Assusto-me só de pensar sobre toda a propaganda e manipulação comercial a que somos expostos diariamente. Simplesmente não há como saber o que está por detrás da música que ouvimos. É até possível esconder uma segunda voz atrás da principal. As informações levantadas por Wilson Bryan Key documentam o uso mal-intencionado da programação subliminar em comerciais e campanhas políticas, mas especialmente em jornais, revistas e pôsters. A grande questão é: programação subliminar realmente funciona? Eu respondo e garanto: sim, funciona. Digo isso não apenas baseado nos relatos dos que ouviram minhas fitas, mas também porque vi os resultados obtidos por essas programações no departamento musical. Supostamente a única mensagem mascarada nas músicas seria “Não roube”: após nove meses o departamento de uma rede de lojas constatou uma redução de 37% nos roubos.

O Laboratório de Psicofisiologia Cognitiva na Universidade de Illinois, em 1984, publicou um artigo num boletim informativo chamado “Cérebro-Mente” afirmando que cerca de 99% de nossa atividade cognitiva poderia ser inconsciente. O extenso artigo termina fazendo a seguinte afirmação: “Essas descobertas sustentam que o uso da programação subliminar é tão eficiente quanto a hipnose terapêutica, programação neurolingüística ou sugestões gravadas em áudio”. 11 – Manipulação em Massa Poderia relatar muitos casos para sustentar a eficiência da programação subliminar, mas prefiro usar o tempo para alertá-los sobre modos ainda mais sutis em que essa programação é empregada. Pessoalmente compareci a um auditório com mais de 10 mil pessoas reunidas para assistir uma palestra.

Vinte minutos após entrar no local, percebi que estava oscilando entre estados de consciência. Meu acompanhante percebeu a mesma coisa, e por sermos profissionais da área, estávamos cientes do que aquilo significava. Através de uma observação cuidadosa, chegamos à conclusão de que as demonstrações aparentemente espontâneas eram, na verdade, hábeis manipulações. Neste ambiente, o único modo que consegui imaginar para induzir transe em pessoas com olhos abertos seria ressoar uma vibração sonora de 6 ou 7 ciclos por segundo e mascará-la com o ruído do ar condicionado. Essa vibração em particular leva ao estado alfa de consciência. Dez a 25 por cento da população é passível de induções a estados de consciência sonambúlicos.

Para essas pessoas, a sugestão do orador, se não representar perigo a elas mesmas, tem grande potencial de ser aceita como um “comando”. 12 – Vibrato Isso nos leva a mencionar o Vibrato, um efeito tremular utilizado em vocais ou músicas instrumentais. Sua freqüência induz estados alterados de consciência. Em um certo período da história inglesa, os cantores cujas vozes possuíssem o vibrato pronunciado eram proibidos de cantar em público porque os ouvintes entravam em estados alterados e tinham fantasias, muitas das quais eram de natureza sexual. Pessoas que gostam de opera ou cantores como Mario Lanza, estão familiarizadas com esse estado de consciência. 13 – Ondas de Freqüência Extrabaixa Levando esse alerta um pouco mais adiante, menciono aqui as OFE. Um dos primeiros usos dados a essa onda de natureza eletromagnética foi a comunicação entre submarinos. Dr. Andrija Puharich, um respeitadíssimo pesquisador, organizou um experimento na tentativa de advertir os oficiais do Estados Unidos sobre o uso que os russos estavam fazendo dessas ondas. Os voluntários foram conectados a aparelhos para que suas fases cerebrais fossem monitoradas. Após isso, foram colocados em uma sala de metal, impenetrável a sinais comuns. Dr. Puharich então irradiou OFE nos voluntários. Esse tipo de onda atravessa facilmente a terra, e obviamente também passou através do metal.

Para os que estavam dentro da sala era impossível saber se o sinal estava ou não sendo enviado. Após o experimento, através do registro da atividade neural dado pelos equipamentos, Dr. Puharich constatou que 30 por cento dos que estavam dentro da sala após 6 a 10 segundo haviam sido “dominados” pelas OFE. Quando eu digo “dominados”, quero dizer que seus comportamentos seguiram exatamente o previsto para cada freqüência específica. Ondas com menos de 6 ciclos por segundo os tornaram emocionalmente perturbados, até causando disfunções corporais. Ondas com 8.2 ciclos/segundo fazia-los sentirem-se inebriados, como se estivessem em alguma espécie de meditação sublime, que levaria anos para ser aprendida. As ondas de 11.3 ciclos por segundo induziram um comportamento depressivo e ansioso, o que resultou em uma conduta revoltosa. 14 – O Neurofone Dr. Patrick Flanagan, um amigo pessoal, no começo dos anos 60, quando ainda era apenas um adolescente, foi listado como um dos maiores cientistas do mundo pela revista “Life”. Entre as muitas de suas invenções, havia um dispositivo chamado “Neurofone”. Um instrumento eletrônico capaz de programar sugestões através da pele. Ao tentar patenteá-lo, o governo dos Estados Unidos exigiu a prova de que realmente funcionava. Após tê-lo provado, a Agencia de Segurança Nacional confiscou o Neurofone. Patrick perdeu cerca de dois anos em batalhas judiciais para conseguir sua invenção de volta. Ao usar o dispositivo, não se ouve ou vê nada; ele envia mensagens através da pele que, segundo Patrick, é capaz de uma sensibilidade muito especial por possuir mais sensores de calor, toque, dor, vibração e campos elétricos que qualquer outra parte do corpo. Em um de seus testes mais recentes, organizou dois seminários idênticos para espectadores militares. Devido ao grande número de indivíduos, o auditório não era grande o suficiente acomodar todos ao mesmo tempo, então o primeiro seminário seria feito numa noite e o outro na subseqüente. Ao ver que o primeiro grupo se mostrou frio e indiferente, Patrick passou o próximo dia fazendo uma fita especial para utilizar no segundo seminário. A intenção era que a fita instruísse-os a serem cordiais e receptivos, e também para que sentissem um “formigamento” nas mãos. Ela foi reproduzida através do neurofone, que estava conectado a um fio colocado ao longo do teto do auditório. Não havia alto-falantes e nenhum ruído podia ser ouvido, mas, ainda assim, a mensagem foi transmitida do fio diretamente aos cérebros da audiência, que respondeu de acordo com a programação: tornaram-se cordiais e receptivos, suas mãos formigaram e também reagiram de outros modos que não podem ser mencionados aqui. Quanto mais descobrimos sobre o funcionamento do corpo, mais aprendemos a controlar os seres humanos. O mais assustador é saber que os meios para essa “dominação coletiva” já existem. As televisões em sua sala e quarto estão fazendo algo mais que apenas entretê-lo. Antes de continuar, vou explicar mais uma coisa sobre os estados alterados de consciência. Neles, passamos a utilizar o lado direito do cérebro, o que resulta na liberação dos opiáceos naturalmente contidos no corpo: encefálicas e beta-endorfinas. Substâncias que são quimicamente quase idênticas ao ópio. Em outras palavras: você se sente bem e vai querer mais. Testes recentes feitos pelo pesquisador Herbert Krugman mostraram que, ao assistir televisão, a atividade do lado direito do cérebro é maior numa proporção de 2 para 1. Dizendo de modo mais claro, os espectadores estavam num estado alterado de consciência. Durante o tempo em que passaram vendo TV estavam predominantemente em transe. E isso significa que estavam recebendo a “recompensa” de beta- endorfinas. No intuito de medir a intensidade da atenção dos telespectadores, o psicofisiologista Thomas Mulholland do Hospital de Veteranos em Bedford, Massachusetts, conectou alguns jovens voluntários a um dispositivo que desligava a televisão automaticamente ao detectar que as ondas alfa se tornavam preponderantes em seus cérebros. Apesar de dizer para se concentrarem, apenas alguns conseguiram manter a televisão ligada por mais de 30 segundos. Se a maioria dos telespectadores já está hipnotizada, aprofundar o transe é fácil. Um método simples é colocar uma imagem em branco a cada 32 quadros do filme sendo projetado. Isso cria uma pulsação rítmica de 45 ciclos por segundo que apenas é detectada pela mente subconsciente (o lugar ideal para induzir a hipnose profunda). Os comerciais que forem trabalhados em suas características para induzir o estado alfa têm uma probabilidade muito maior de serem aceitos pela audiência. A alta porcentagem de telespectadores passível de indução a estados de consciência sonambúlicos pode muito bem vir a aceitar as sugestões ou comandos desde que não contrariem sua moral, religião ou integridade. A oportunidade para tomar o controle sobre a população está bem aqui: aos 16 anos uma criança já passou de 10 a 15 mil horas assistindo televisão, e isso é mais tempo do que passa na escola! Em média, as TVs permanecem ligadas por volta de 6 horas e 44 minutos por dia, o que representa um aumento de 9 minutos em relação ao ano passado e de três vezes em relação à média dos anos 70. Obviamente não há perspectiva de melhora. Estamos nos transformando em um “mundo alfa”, muito parecido com o proposto por Orwell em 1984: plácido, transparente e obediente. Em uma pesquisa feita por Jacob Jacoby, psicólogo da Universidade de Purdue, constatou-se que 90% das pessoas não entendiam completamente nem a mensagem de um comercial simples. O telespectador típico, um minuto após ter assistido um programa, acerta apenas 13 de 36 perguntas sobre o que acabou de ver. Resultado facilmente previsível, pois ele estava entrando e saindo de transe! Em transe profundo, você deve ser especificamente instruído para lembrar-se dos acontecimentos, do contrário esquece-os automaticamente pela mente subconsciente (o lugar ideal para induzir a hipnose profunda). Os comerciais que forem trabalhados em suas características para induzir o estado alfa têm uma probabilidade muito maior de serem aceitos pela audiência. A alta porcentagem de telespectadores passível de indução a estados de consciência sonambúlicos pode muito bem vir a aceitar as sugestões ou comandos desde que não contrariem sua moral, religião ou integridade. 15 – Epílogo Neste artigo apenas toquei a ponta do iceberg. Ao começar a pensar nas possibilidades de combinação entre mensagens subliminares em músicas e imagens, efeitos visuais hipnóticos, músicas com batidas indutoras de transe, chega-se a inúmeras fórmulas extremamente eficientes para perpetrar lavagem cerebral. A cada hora na frente da TV você se torna mais e mais condicionado. E caso pense “deve haver alguma lei para controlar esse tipo de coisa”, enganou-se. Não há! Existe muita gente poderosa que obviamente prefere as coisas exatamente como estão. Talvez estejam planejando algo? Autor: Dick Sutphen. Tradutor: André Díspore Cancian. Fonte: Psychologie und Landmark Education.
leu leutraixseal[1]

COMO É FEITA A LAVÁGEM CEREBRAL

October 12, 2009

seal[1]Alexandre Mansur e Luciana Vicária SUPERSTIÇÃO Oliveira participa de sessões de descarrego quase toda semana. ‘A reza da Universal é mais forte’, diz Ainda que impressionem à primeira vista, os transes testemunhados nos templos e nas TVs da Igreja Universal recorrem a truques conhecidos. A começar por uma mensagem sedutora: o pastor diz que o fiel é uma boa pessoa e todo o mal que ele faz ou sofre é causado por um espírito maligno. Quem vive dramas insuperáveis se entrega facilmente à fantasia. ‘As pessoas são sugestionadas pela voz autoritária do pastor até atingirem uma espécie de estado hipnótico’, diz a psicóloga paulista Denise Ramos. A repetição das orações em voz alta, de olhos fechados, conhecida pela medicina como respiração holotrópica, produz um fenômeno de superoxigenação no cérebro. O resultado é um rebaixamento dos níveis de consciência. Quem está no meio de um agrupamento tomado pela euforia tende a se deixar contaminar pela emoção. Há um mecanismo do sistema límbico do cérebro, o mais básico da área nervosa, que induz a pessoa a se comportar segundo as atitudes da multidão que a cerca. ‘É por isso que choramos em comícios ao ouvir o Hino Nacional’, compara Denise Ramos. A gritaria dos milhares de fiéis que participam das sessões de descarrego contagia quem está lá carregando conflitos psicológicos. ‘O povão não tem acesso à psicanálise. As pessoas procuram esses cultos populares para aplacar seu inferno interior’, diz o pastor Mozart Noronha, da Igreja Luterana do Brasil. Pastores e seus auxiliares, chamados de obreiros, aprendem a induzir o transe. ‘Quando a pessoa está tonta, fica mais aberta para manifestar os demônios’, diz a obreira Aparecida Santos, ex-fiel da Igreja Universal, atualmente na Igreja Internacional da Graça de Deus. Ela ä costuma pôr a mão na cabeça dos fiéis e fazê-la rodar. Outro recurso que funciona é tocar músicas altas no teclado, com acordes bem tenebrosos. ‘Porque o demônio não gosta de silêncio’, explica a obreira. Aparecida aprendeu as técnicas do exorcismo na Universal, onde passou cinco anos como auxiliar de pastores. Está convencida de que as cenas na igreja são manifestações reais de entidades do mal. ‘O diabo está lá mesmo’, afirma. Só discorda dos métodos de sua ex-igreja. ‘A Universal expõe muito a privacidade da pessoa.’ Nos cultos dos quais participa hoje, Aparecida identifica quem está possesso e o encaminha a um canto da igreja. A Igreja Católica vê as aparições de diabos e semelhantes nos cultos neopentecostais como fraude grosseira. ‘É como se fosse um show em que os pastores exibem o diabo subjugado como se fosse um animal na jaula’, diz o padre Cleodon de Lima, de 36 anos. ‘Se a intenção fosse curar a pessoa, não precisaria mantê-la tanto tempo diante da platéia, sendo ridicularizada.’ Até o século XIX, crises histéricas ou casos de dupla personalidade eram interpretados por padres católicos como possessões demoníacas. Com o avanço da ciência, varreu-se o obscurantismo. Na década de 60, o Concílio Vaticano II decretou que apenas alguns sacerdotes, nomeados pela Igreja, poderiam expulsar demônios. Para regulamentar os rituais quase clandestinos, o papa lançou em 2000 um manual oficial de exorcismo. Fez questão de destacar que casos suspeitos devem ser encaminhados primeiro a um psiquiatra. O MISSIONÁRIO Presente em quatro canais da TVaberta, R.R. Soares evitamostrar exorcismos. Seus programas sãomaisleves, com pregações e depoimentos As igrejas evangélicas tradicionais se constrangem com o espetáculo das neopentecostais. ‘A mesma cultura do medo que enche os filmes de terror no cinema também funciona para lotar as igrejas’, compara o pastor luterano Mozart. Os religiosos criticam a obsessão da Universal pelos atos do demônio e a acusam de deixar Deus em segundo plano. ‘A Bíblia diz que Jesus até expulsou alguns demônios, mas nunca fez disso seu ministério’, afirma o pastor Israel Belo de Azevedo, reitor do Seminário Teológico Batista. Muitos evangélicos tampouco acreditam que a presença satânica seja corriqueira como prega a Universal. ‘O diabo não fica roubando o marido de umas pessoas ou o emprego de outras’, ironiza o pastor Ariovaldo Ramos, da Associação Evangélica Brasileira. Boa parte dos freqüentadores da Universal já recorreu a tendas de umbanda ou centros espíritas, onde conheceu o mundo dos transes e das incorporações. Curiosamente, a Universal buscou inspiração nas religiões afro-brasileiras para apimentar seus cultos. Edir Macedo, que foi umbandista, adaptou os rituais do terreiro. Os gestos no descarrego copiam a coreografia dos incorporados em tendas. Os demônios que os pastores combatem e exorcizam confundem-se com as entidades da umbanda, como Zé Pelintra, Pomba-Gira ou Tranca-Ruas. Os objetos mágicos oferecidos também foram retirados dos terreiros (leia o quadro na pág. 74). Arruda com sal grosso são usados para espantar mau-olhado. Alguns pastores adotam o branco, reproduzindo a vestimenta dos pais-de-santo. ‘São elementos estranhos ao cristianismo’, diz o pesquisador Leonildo Campos, da Universidade Metodista de São Paulo. ‘A Universal se aproximou tanto da umbanda que precisa mover uma cruzada contra as religiões afro-brasileiras para se diferenciar’, afirma. Mesmo para quem freqüenta os terreiros, a apropriação é esdrúxula. ‘Em vez de afastar os demônios, a encenação acaba atraindo-os’, acredita a terapeuta holística Joelma Rodrigues, de 33 anos, que até os 12 era fiel da Assembléia de Deus e hoje é umbandista. O teatro da possessão demoníaca é eficiente também porque é divertido. O paulistano Eduardo Oliveira, de 28 anos, tornou-se figura conhecida no palco da Catedral da Fé, megatemplo da Igreja Universal. Incorpora encostos e demônios quase toda semana. ‘Não tenho culpa, sou mais sensível que os outros e me entrego com mais facilidade’, explica. Oliveira foi batizado na Igreja Católica. Há pouco mais de um ano, abalado pela perda do emprego e pelo fim de um antigo namoro, foi atraído por um programa de TV da Igreja Universal. ‘Já experimentei outras ä igrejas, mas, em matéria de libertação, não existe melhor que a Universal: a reza é forte e específica.’ Oliveira fecha os olhos, une e aperta as mãos contra o peito. Começa a rezar em voz alta. Um obreiro atento aos fiéis mais exaltados se aproxima. ‘Eu ordeno, se manifeste’, diz o obreiro, fazendo movimentos circulares com a cabeça do fiel. Oliveira se joga no chão e começa a se debater. ‘Minha perna fica bamba, meus braços amolecem, quando dou por mim estou no altar’, diz. Na guerra aos encostos, os pastores da Universal pegam carona no trabalho catequizador da própria Igreja Católica brasileira, que durante séculos trabalhou para associar as religiões africanas trazidas pelos escravos a práticas abomináveis de magia negra. Agora isso está enraizado no imaginário popular nacional, que tem uma relação ambígua com essas tradições africanas. Ao apelar para essa velha briga, Edir Macedo retoma a retórica dos anos 70, quando fundou sua igreja. É um reposicionamento do líder neopentecostal desde a malsucedida empreitada contra os católicos, na década de 90. Quando o bispo Sérgio Von Helde, da Universal, chutou uma imagem de Nossa Senhora Aparecida, em 1995, as críticas vieram dos próprios fiéis de Macedo. Afinal, 70% deles convivem bem com o catolicismo, segundo uma pesquisa do Iser. O mesmo estudo mostra que 90% dos pentecostais associam as religiões afro-brasileiras ao demônio. ‘Vemos um exército evangélico atacando de forma sistemática comunidades afro-brasileiras, que nem têm como se defender’, aponta a pesquisadora Mariza Soares, da Universidade Federal Fluminense. EXPOSIÇÃO Os fiéis não podem ser ridicularizados, diz o padre Cleodon, ex-evangélico O apelo do demônio é forte porque atende a uma grande camada da população que vive imersa em superstições. O neopentecostalismo se desenvolve nos extratos mais pobres da população. Pesquisas revelam que um terço dos fiéis sobrevive com menos de dois salários mínimos, 68% não passaram do ensino fundamental e um em cada dez é analfabeto. Em geral, acreditam em magia negra e forças ocultas. ‘O povo acha que o demônio está por aí, agindo através dos incautos’, diz a antropóloga Regina Novaes, do Iser. Jogar a culpa por tudo que há de errado no demônio é uma solução confortável para quem busca alívio nos cultos. As conseqüências podem ser perigosas. ‘A pessoa sai da igreja acreditando que não tem responsabilidade moral pelos erros que comete’, diz o pastor evangélico Ariovaldo Ramos. O crente também fica convencido de que possui uma personalidade frágil e influenciável. ‘Ele está pronto para ser manipulado por qualquer líder espiritual que se apresente como solução. Escapa dos vícios para virar escravo desses pregadores’, acusa. O TEATRO DA POSSESSÃO Como os pastores empregam técnicas e truques para induzir o fiel a entrar em transe nas sessões de exorcismo TRILHA SONORA O tecladista executa melodias leves nos momentos de alusão a bênçãos divinas. Mas, quando o pastor menciona as ações do demônio e de espíritos malignos, ouve-se uma sucessão de acordes pesados, que lembram filmes de terror ILUMINAÇÃO Em alguns cultos realizados à noite, os pastores apagam as luzes principais da igreja. Envoltos na penumbra, os fiéis ficam mais sugestionáveis. Os pastores também pedem às pessoas que fechem os olhos ROTEIRO Para evocar os demônios, os pastores fazem orações repetitivas. A mente humana tende a aceitar como verdadeiras as frases proferidas sucessivamente, em tom de autoridade e num ambiente emocional COREOGRAFIA Os obreiros apertam e balançam a cabeça ou o corpo do fiel em movimentos circulares. A tontura e a falta de apoio no chão são fatores que induzem o transe FIGURAÇÃO O burburinho das pessoas rezando e gritando rebaixa os níveis de consciência de fiéis suscetíveis. Quem está no meio de uma multidão é influenciado pelas emoções dos indivíduos ao redor ADEREÇOS As igrejas usam símbolos que tocam as emoções dos fiéis. Os pastores incentivam-nos a trazer objetos de valor emotivo como fotografias de parentes, currículos impressos e carteira de trabalho para ser abençoados SONOPLASTIA Em algumas igrejas, junto com a música, são reproduzidas gravações de gritos e sons de assombração. Esses ruídos estimulam o inconsciente das pessoas em transe a considerar real aquela manifestação Objetos mágicos que embalam as ’sessões de descarrego’ Para apimentar os cultos de exorcismo, os pastores da Universal distribuem objetos com supostos poderes. Para consegui-los, o fiel vai ao altar e promete fazer ofertas generosas. PEDRAS Não é só com reza que se atacam encostos. Os fiéis recebem pedras para jogar em Golias, boneco gigante que ocupa o altar da Catedral da Fé, em São Paulo LIMPEZA Sabonete de arruda é a promessa do pastor para livrar o corpo de impurezas. O suvenir é distribuído no ritual de descarrego ÓLEO O frasco com azeite bento é agitado para afastar ‘maus-olhados’ PROTEÇÃO O sal, que vem em pratos plásticos, é usado para ‘purificar’ o local de trabalho e o lar DÍZIMO Fiéis pegam o envelope vazio e têm de devolvê-lo cheio na semana seguinte. Exigem-se pelo menos R$ 30 por mês Alexandre Mansur e Luciana Vicária Como a psicanálise e a antropologia desvendaram os mecanismos que alimentam as possessões Transes religiosos são registrados desde a Grécia antiga, quando sacerdotisas diziam receber espíritos em rituais inspirados por música e vinho. Mas essas manifestações só começaram a ser desvendadas pela ciência no fim do século XIX, com o surgimento dos primeiros estudos em psicologia. Em 1862, o neurologista francês Jean-Martin Charcot (1825-1893) instalou-se no Hospital Salpêtrière, em Paris, convencido de que as visões de espíritos vivenciadas por alguns pacientes eram causadas por males do sistema nervoso. Para tratá-los, aperfeiçoou a técnica de induzir a pessoa ao estado de transe por meio de hipnose. Os recursos empregados, baseados na repetição de luzes ou sons, desmontaram a aura sobrenatural que cercava as possessões. Um de seus alunos, Sigmund Freud, também se interessou pela hipnose. Mas foi o suíço Carl Jung quem se dedicou a teorizar de onde vêm os ‘maus espíritos’ que atormentam as pessoas. Segundo ele, essas figuras aterrorizantes são imagens gravadas coletivamente na mente humana. Batizados de arquétipos, acompanham a humanidade há milhares de anos. ‘O diabo, que os fiéis da Universal acreditam incorporar, é uma dessas imagens e representa forças destrutivas dentro da própria pessoa’, diz a psicanalista Aurea Roitman. ‘Já o chifre e o rabo são adereços acrescentados pelo imaginário cristão.’ Enquanto os fundadores da psicologia descreveram como se induz um transe, foram os antropólogos que teorizaram sobre a função das possessões e dos exorcismos. Os missionários religiosos e médicos que viajaram para a África ou investigaram territórios dominados pelos índios nas Américas ficaram fascinados pelas cerimônias dirigidas para que alguns participantes recebessem os espíritos. A partir dessas narrativas, o filósofo francês Emile Durkheim (1858-1917), um dos fundadores da sociologia, foi um dos primeiros a teorizar sobre a função dos transes. Analisou em 1912 o papel do descarrego primitivo para garantir a unidade da tribo. ‘Os exorcismos têm a função de provar a existência de um agente sobrenatural capaz de punir os delinqüentes, por mais poderosos que sejam’, explica o antropólogo Scott Atran, da Universidade de Michigan. leu leutraix

PASTORES PICARETAS

October 12, 2009

PASTORES PICARETAS,UM PORTAL DO GRUPO LEU LEUTRAIX COM SEDE EM
16 Glen St.
Cliffiside Park
NJ – 07010 – USA FONE DO ESCRITÓRIO DO BRASIL,(87)9138-4060

sabonete com aroma de ovelhas

October 12, 2009

Parece piada, mas não é! A turma da “PROSPERIDADE” está distribuindo o sabonete “CHEIRO DE OVELHA” para os seus fiéis, indicado para combater o mau cheiro exalado pelos bodes nos “apriscos” clandestinos da religião. Se você estiver com problemas de odor desagradável na sua igreja, não se preocupe as empresas “VALDEMIRESNSE”, “R.R.SOARESNSE” e “UNIVERSAL PRODUTOS IMPORTADOS” – do inferno – têm a solução! Sabonetes “Cheiro de Ovelha”, uma benção! A fragrância que faltava no mercado da fé! Mas muita atenção! Não é indicado para quem tem hipersensibilidade a ética, a verdade e aos princípios cristãos de conduta, pois pode causar sérios danos a saúde espiritual. As firmas citadas são empresas untadas com “Geizuz”, o puro óleo, no fogo puro do Rê-Tê-Tê e recheada das promessas vazias de homens cheios de vaidade e ganância. Seus gerentes são “pseudo-evangélicos” transvestidos de “ovelhas”, debochados, que usam a Bíblia para pregá-la com cruéis cravos na testa de desesperados e ai de quem se opor a eles! Serão castigados… Praticam o ato de obter vantagem patrimonial ilícita, em prejuízo alheio, induzindo ou mantendo em erro alguém através do meio fraudulento de venderem prosperidade, curas e milagres, pregando para o povo um cristianismo banalizado corrompido pelas artimanhas do inimigo. Os boletos bancários de depósito comprovam o que digo. O interessante é que o “cheiro de bode” ofusca o “cheiro da ovelha” dando a impressão de que todos são caprinos no mesmo ambiente. Em muitas igrejas os odores estranhos se tornaram normais e já não causam mais nenhum incômodo. Você é cheiroso? O Não precisa responder! O poder da mídia no mundo hodierno tem levado muitas pessoas a banalizarem o certo; invertem os valores antes consagrados como certos e isto tem levado muitas a exalarem o fedor do pecado e a oferecerem carniças a Deus em vez de cordeiro sem defeito. E como tem carniça por ai sendo oferecida no altar como se fosse carne de ovelha! Tem muita igreja que não são anjos, mas urubus que sobrevoam na busca de uma chance para resgatarem a parte deles. Quando vamos comer algo, olhamos a comida e sentimos o cheiro gostoso, logo vem a vontade de degustar aquele alimento. Quem não gosta de um bom prato? Por outro lado, você já ficou ao lado de uma pessoa fedida? Roupas, cabelos, axilas, pés, boca, tudo atraindo moscas, não tem algo tão ruim, repugnante. Mas, responda rapidamente, qual perfume é o seu? Qual o perfume de sua igreja? E o de seu Pastor? Ah! Mas, para combater o odor desagradável foram criados uma gama enorme de perfumes; tem produto para todos os gostos. O segredo de um perfume está na substância aromática ou na essência, que o compõe. O cheiro agradável e penetrante é exalado por uma substância extraída por técnicas que são guardadas em segredo pelos fabricantes. Só lembrando, tem muita coisa falsificada no mercado! Quero apenas lembrar que lugar onde o “Pastor” trata suas ovelhas não deveria ser um “gabinete” com escrivaninha, computador e cadeira de executivo. O lugar de um Pastor tratar as suas ovelhas é o “aprisco” aconchegante, protegido e seguro, onde o próprio Pastor dorme à porta para defender seu rebanho dos lobos que rondam buscando uma oportunidade para atacarem. O que? É assim mesmo? Isto é exagero! Pois, sugiro então que você conheça a rotina de um Pastor de ovelhas lá do Oriente Médio. Mas é verdade, Pastor dorme com o rebanho, ao relento; o Pastor come com o rebanho, anda com o rebanho; o Pastor está sempre com o rebanho onde quer que ele vá. Ele tem o cheiro das ovelhas impregnado nas suas vestes e nas suas narinas, ele as conhece pelo cheiro que exalam. Penso que “Pastor” não combina com mesa, terno, gravata, gabinete, shows, extravagâncias, espetáculos ou coisas semelhantes. Para mim está muito claro, e segundo a Bíblia, a palavra “Pastor” combina com campo, pasto, curral, ovelha, noites mal dormidas, roupa surrada de trabalho campestre, etc. Pastor combina com cajado, com sol, com lugares abertos, com calças dobradas para cruzar os riachos, com ovelha nos braços; O cheiro do “Pastor” deve ser o “cheiro de ovelha”, cheiro do pó levantado pela caminhada do rebanho. O “Pastor” deve viver em função do rebanho e não o rebanho em função dele. Pelo seu cheiro ele deve ser identificado pela sociedade, não como um “bode catinguento” que espanta todo mundo e contamina o ambiente, mas com um odor agradável de ovelha com as quais ele lida no seu exercício ministerial. Jesus, o “Supremo Pastor” nunca estava em uma sala fechada esperando as pessoas virem a ele. Não, Jesus não era assim, Ele estava onde as pessoas estavam, nas festas de casamento, nas mesas de banquetes, nas casas das pessoas, nas praças e nos lugares públicos como as sinagogas. Sim, é verdade, Jesus às vezes se retirava para descansar, orar, refletir e ficar sozinho, mas era por pouco tempo e já estava ele lá de novo, no meio do povo. Voltando ao tema, cuidado com a insensibilidade do olfato, você pode ser traído! Tanto o “cheiro” como o “fedor” ao ser exalado por muito tempo torna-se comum, os nossos sensores são condicionados. Isto vale para a vida espiritual também. É importante ressaltar que o confronto entre uma pessoa “cheirosa” com uma “mal cheirosa” causa mal estar e um incomodo que é natural. Assim é o crente com o não crente; o justo com o injusto. O pecado pode tornar uma pessoa cheirosa em uma pessoa mal cheirosa, mas também é o único capaz de transformar “ovelha” em “bode”! O duro é que tem muita gente trocando de lado, se acomodando com o cheirume do chifrudo, e o que é pior, debaixo de pele de ovelha. Um cristão autêntico não é detectado por suas posses e sim pelo seu caráter, se exala o cheiro de Cristo, com certeza, irá atrair outros a ele. Vale ressaltar que Jesus é que nos transforma em cheiro agradável, pois não há essência cheirosa em nós e, por isso, exclusivamente por isto, não exalamos um bom perfume. Mas com Cristo, o fedor do pecado é arrancado pela regeneração, e neste caso, é o “bode” que é transformado em “ovelha”. Certa vez me perguntaram sobre o que seria a igreja ideal na terra? De onde partiu, era no mínimo maliciosa pela conduta nada transparente de quem a fez. Refletindo rapidamente sobre isso e sem dar chance para comentários distorcidos, respondi que a igreja ideal é aquela que é simplesmente igreja. É aquela onde ovelha tem “cheiro de ovelha” e não de “bode”. Um local onde cada membro do “Corpo de Cristo”, sem exceção, exerce e aprimora os seus dons; Onde a liberdade da glória de Deus, a comunhão com os irmãos e a admoestação mútua acontece como algo natural. Onde há louvor e não barulho; Onde Deus é exaltado e não pessoas. Para ser claro, que ela seja simplesmente, “igreja”. Nada mais. Mas, para a minha tristeza, tem muita coisa sendo chamada de “igreja” com muita gente sendo literalmente enganada por seus “donos”. Portanto, se você é um crente, você deve exalar o “bom perfume de Cristo”, tanto na igreja como lá fora, diz Paulo. Que o seu perfume possa contagiar e atrair a todos que estiverem ao seu lado. Mas lembre-se, em hipótese alguma aceite, mesmo se for de graça, os sabonetes da marca “cheiro de ovelha” que andam oferecendo nos mercados evangélicos das esquinas da religião. Eles são falsificados e podem causar danos à sua fé e à sua relação com Deus.

TEXTO ACIMA DÊ:

Carlos Roberto Martins de Souza

PASTORES  PICARETAS

Que a televisão brasileira tem poucas coisas boas hoje isto é inegável, mas em matéria de porcaria os programas “rotulados de evangélicos” dão um banho em qualquer outra programação. Pouquíssimos se salvam desta sujeira religiosa. A depravação da fé é um absurdo sem precedentes na história do cristianismo, com a comercialização sendo feita sem escrúpulos a qualquer hora do dia ou da noite, onde os produtos pirateados do inferno dominam as prateleiras da ganância religiosa.
Ao invés de recomendarem a leitura “racional da Bíblia”, os picaretas inventam suas teologias pífias e heréticas e querem empurrar para cima do povo a qualquer custo; fazem pacotes promocionais que só enganam os incautos já que tais descontos são apenas fantasias e estratégias de marketing; ofertas(?) com descontos nunca vistos e vai por ai afora. Para a Bíblia, inventaram várias versões entre elas a “Bíblia de Batalha Espiritual e Vitória Financeira”! São absurdos descabidos para alguém que afirma ter alguma relação com o cristianismo.
O “Pastor”, o “Bispo”, o “Apóstolo”, o “Missionário”, todos fazem ginásticas psicológicas que alienam os telespectadores. Foi Jesus quem mandou, tem que pagar em dia, do contrário tá no inferno aquele que negar. E pague logo porque vale à pena, é prosperidade garantida. É muito triste contemplar a cena desses lobos roubando a multidão, trapaceiros pastoreando não a alma, mas o bolso de povão, falsos profetas no meio da massa onde no comércio da fé Jesus não passa de um produto vendido à prestação.

O primeiro camarada da IIGD – Igreja Internacional da Graça de Deus – um picareta a serviço do inimigo que usa o nome artístico, Romildo Rodrigues Soares, vulgo R.R. Soares, vem com o “SHOW DA FÉ”, prá mim “SHOW DA MÁ FÉ”, nome sugestivo para programas perpetrados e idealizados pelo Diabo, não para qualquer coisa ligada à religião. A fé não dá “show” ou “espetáculo”, dá “TESTEMUNHO”, é isto mesmo meu irmão. Show é com satanás, no entanto tem muita gente embarcando nesta canoa furada pensando que está agradando a Deus. Coitados, não enxergam, por causa da miopia espiritual, que estão sendo lesados no bolso e na fé. Os homens exploradores e aproveitadores, transvestidos de “servos de Deus” aproveitando a frustração do povo, o sofrimento e a desgraça alheia inventam nomes para venderem de tudo.

No “Show da Má-Fé”, um programa de qualidade duvidosa em todos os sentidos, o que se ouve é: ajude o “missionário(?)”, compre o CD, compre e leia o Livro da Prosperidade, Passe o Dinheiro ou Deposite em uma das agências do Bradesco… Mal sabem os que consomem estes produtos que apenas estão sustentado as “mordomias” dos piratas religiosos que encontraram na religião uma forma fácil de enriquecerem. Só lembrando, nenhum servo de Deus no passado participou de trapaças desta natureza ou jamais fizeram da fé um show para atrair multidões.

Gostaria muito que alguém entendido nas “Escrituras” me mostrasse na “Bíblia” onde encontramos as palavras “SHOW”, “ESPETÁCULO” e “SUCESSO”, assim eu poderei mudar os meus conceitos sobre estes artistas de picadeiro que fizeram da igreja um grande circo onde os palhaços ficam, não no palco, mas na platéia, sendo enganados e iludidos pelas falsas promessas dos donos da companhia de espetáculos. São os “SUPER HOMENS”, heróis dos desesperados que não medem esforços para alcançar o bolso do povão, e para isto vale qualquer coisa. Não são mais “Três Mosqueteiros”, mas milhares espalhados pelo Brasil afora

Que a televisão brasileira tem poucas coisas boas hoje isto é inegável, mas em matéria de porcaria os programas “rotulados de evangélicos” dão um banho em qualquer outra programação. Pouquíssimos se salvam desta sujeira religiosa. A depravação da fé é um absurdo sem precedentes na história do cristianismo, com a comercialização sendo feita sem escrúpulos a qualquer hora do dia ou da noite, onde os produtos pirateados do inferno dominam as prateleiras da ganância religiosa.

Ao invés de recomendarem a leitura “racional da Bíblia”, os picaretas inventam suas teologias pífias e heréticas e querem empurrar para cima do povo a qualquer custo; fazem pacotes promocionais que só enganam os incautos já que tais descontos são apenas fantasias e estratégias de marketing; ofertas(?) com descontos nunca vistos e vai por ai afora. Para a Bíblia, inventaram várias versões entre elas a “Bíblia de Batalha Espiritual e Vitória Financeira”! São absurdos descabidos para alguém que afirma ter alguma relação com o cristianismo.

O “Pastor”, o “Bispo”, o “Apóstolo”, o “Missionário”, todos fazem ginásticas psicológicas que alienam os telespectadores. Foi Jesus quem mandou, tem que pagar em dia, do contrário tá no inferno aquele que negar. E pague logo porque vale à pena, é prosperidade garantida. É muito triste contemplar a cena desses lobos roubando a multidão, trapaceiros pastoreando não a alma, mas o bolso de povão, falsos profetas no meio da massa onde no comércio da fé Jesus não passa de um produto vendido à prestação.

Tem um segundo sujeito da IMPD – Igreja Mundial do Poder de Deus – que vive do suor, melhor, de curar usando o poder da sua sudorese. Ali a falta de higiene é total isto sem falar na falta de educação e na grosseria do camarada. O tal “Apóstolo Valdomiro Santiago” é uma vergonha, um desrespeito aos ensinos de Jesus que, aliás, é usado vergonhosamente para fundamentar as suas artes teatrais. A encenação é ridícula digna dos piores programas de humor da televisão. O mais triste é notar que a multidão gosta e até aplaude o tal Apóstolo(?) pelas suas artimanhas e pelas suas curas de dor de barriga, de dor de cabeça, dor de coluna, dor de perna… Cegueira, mudez, ressurreição de defunto, paralítico atrofiado, deficiência mental, isto nem pensar! O forte dele é orar no monte com um monte de iludidos.

Tem muito dinheiro sendo jogado fora, nas fossas da religião moderna, são milhões em dinheiro que poderiam ser racionalmente investidos na verdadeira pregação do Evangelho. A podridão religiosa exala um odor fétidico; a estrada da fé esta pavimentada pelos cadáveres evangélicos e os abutres proféticos aguardam apenas o momento para atacarem uma vez que vivem e alimentam da carniça espiritual do povo. Os “mágicos cristãos”, para mim “charlatões”, a cada dia surgem com novidade nos seus números de acrobacias religiosas na esperteza de convencer o publico de suas habilidades ilusionistas, deixando a platéia, muitas vezes espantadas, com a capacidade de suas trapaças.

Os bispos da IURD – Universal do Reino do Edir Macedo – não poderiam ficar de fora, ali a coisa é brava, naquele terreiro o Diabo deita e rola. O “Descarrego” é o carro chefe e atrás vem “Óleo Benzido”, a “Rosa Consagrada”, o “Nó na Camisa Preta”, Copo com Água do Rio Tietê e mais uma infinidade de picaretagem para ludibriar o povo. O pior é que o povo gosta e vive de ilusões, principalmente em se tratando de fé!

Tem muito crente frouxo cedendo às artimanhas malignas destes heréticos achando tudo muito natural, pois pensam estar agindo em nome de Deus. É uma vergonha ver pessoas contribuindo com até o que não podem para sustentar as mordomias e as mentiras pregadas por estes camaradas. Mal sabem que estes pregoeiros estão sim a serviço de suas “EMPRESAS” religiosas e de seus negócios pessoais. No mercado da fé os olhos estão voltados para os empreendimentos humanos regados a mordomias e a lucros exorbitantes às custas do sofrimento e da desgraça alheia. Só não vê quem não quer!

A religião chegou ao fundo do poço apoiada, por um povo vazio na vida espiritual que acha que tudo que estão fazendo tem a aprovação de Deus. Os cristãos estão “tomando emprestado” ou se “apropriando” de práticas de outras religiões numa afinidade promíscua com o inferno e suas táticas de destruição da crença. É triste var que muitas pessoas humildes estão sendo literalmente enganadas por esta corja de “mercenários da fé” sem serem incomodados ou questionados nas suas práticas delituosas no trato com a fé e com os sentimentos da população. O sensacionalismo barato, a exposição indecorosa de vidas privadas e a falsidade estão mutilando espiritualmente as pessoas incapacitando-as de pensar o de perceberem o engano a que estão sendo submetidas.

Outro artifício é o de levarem diante dos seus crentes supostos abençoados pelo Senhor; os quais declaram publicamente estarem doando carros, imóveis e gordas quantias para “Jesus”. Ora, quem não fica compelido a doar alguns trocados? Bancar o mão-de-vaca com Jesus? Jamais!

Com o crescimento do negócio, tais “pastores” passam a justificar perante seus fiéis, seus carros e casas luxuosas como “bênçãos dos céus” ou “dádivas do Senhor”, e todos alegremente vão dizendo amém a isso. Segue-se, então, a consolidação do negócio, pelo envolvimento com empresários e políticos convenientes. E daí por diante, o céu é o limite em termos de desvios, enriquecimento e estelionato em massa; passando por dólares dentro de Bíblias, patrocínio por jogadores famosos, lavagem de dinheiro criminoso e até haras de cavalos árabes na Califórnia.

sem falar no pr. Jean Marques, que ficou muito conhecido na i***. por causa da Terapia do Amor. Há pouco tempo estava no México, quando foi chamado pelo bp. Marques, a fimde migrar p a IMPD. O Jean não pensou 2 vezes; falou com o Marques numa sexta feira, no domingo já estava sendo apresentado no altar da sede, no RJ, e atualmente encontra-se em SP, na sede da Carneiro Leão, junto com o apóstolo. A IMPD só tem pastores desobedientes,seal[1]

Hello world!

October 12, 2009

Welcome to WordPress.com. This is your first post. Edit or delete it and start blogging!